Rita Cadillac conta o que ia fazer no Carandiru nos anos 90

O que Rita Cadillac ia fazer no Carandiru nos anos 1990? (Foto: Reprodução/Yahoo!)
O que Rita Cadillac ia fazer no Carandiru nos anos 1990? (Foto: Reprodução/Yahoo!)

Dançarina profissional, Rita Cadillac ficou famosa pelo Brasil todo como uma das chacretes no programa "Cassino do Chacrinha", apresentado por Chacrinha entre 1982 e 1988 na Globo. Porém, para os detentos da extinta Casa de Detenção de São Paulo, mais conhecida como Carandiru, ela era apenas a madrinha dos presidiários e desempenhava um papel importantíssimo de conscientização.

Apesar de fazer shows para animar os presos, Rita fazia parte do projeto de prevenção ao HIV e à AIDS promovido pelo médico Drauzio Varella dentro da Casa de Detenção na época em que trabalhou na instituição. Registros dessa época foram eternizados no livro "Estação Carandiru", escrito pelo doutor, e na adaptação cinematográfica da obra, "Carandiru", lançado em 2003.

"Todo mundo imagina que a minha relação com os presos era uma coisa muito [sobre] sexo. E ali era uma época de AIDS. Eu ia lá e falava: 'olha, se protege, bota assim, faz assado'. Eu ensinava a botar a camisinha. Fala a mesma língua. E, como eu sempre os tratei de igual para igual, eles me respeitavam muito", conta ao Yahoo!.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Sex symbols nos anos 1980 e 1990, Rita e a também dançarina Sheila Mello, ex-É o Tchan, participaram do projeto "Histórias de Quem Mostrou Demais" e avaliaram como foram retratadas em uma sociedade machista, com mídias igualmente problemáticas, sendo muitas vezes sexualizadas, objetificadas por aqueles que tentaram controlar seus corpos.

"Sempre acharam que eu sou mais ousada do que sou e não era isso. Eu sempre brinquei com o imaginário das pessoas. As pessoas não falam das coisas que você tenta mostrar que é. É que é mais fácil falar do corpo, não é?", ainda diz a dançarina. Confira a entrevista completa a seguir:

Ficha técnica

Edição, produção técnica: Malabar Filmes

Reportagem, produção e coordenação: Amanda Serra e Bárbara Saryne