Rivian, de caminhões elétricos, estreia na Bolsa valendo R$ 100 bilhões, superando GM e Ford

·3 min de leitura

NOVA YORK— A Rivian, fabricante de caminhões elétricos que fez sua estreia na Bolsa americana nessa quarta-feira, alcançou mais de US$ 100 bilhões em valor de mercado, superando a Ford e se igualando à General Motors, num sinal de como os investidores veem na eletrificação o futuro dos automóveis.

Entre as montadoras, a empresa só ficou atrás da Tesla, que tem valor de mercado de US$ 1,06 trilhão. A GM é avaliada em US$ 86 bilhões e a Ford, em US$ 77 bilhões.

A empresa bateu também um outro recorde: fez o maior IPO (sigla em inglês para oferta inicial de ações) do ano nas Bolsas globais, ao vender US$ 12 bilhões em papéis. Foi também o maior IPO já registrado no mercado americano desde 2014, quando a Alibaba estreou nas Bolsas dos EUA.

As ações da Rivian fecharam em alta de quase 30% na sua estreia. Com isso, em ações, a empresa somou valor de US$ 88 bilhões. Considerando opções de ações e outros instrumentos financeiros, o valor de mercado da empresa chega a US$ 106 bilhões.

Os maiores investidores institucionais de Wall Street, incluindo T. Rowe Price e BlackRock, estão apostando que Rivian será o próximo grande player em um setor dominado pela Tesla, do bilionário Elon Musk, em meio à crescente pressão sobre montadoras na China e na Europa para eliminar as emissões de poluentes veiculares.

A Amazon é o maior acionista da Rivian, com uma participação de 20%. A Ford é outra grande acionista da empresa, com 12% de participação.

O IPO de Rivian teve como pano de fundo a Cop 26, a Cúpula do Clima das Nações Unidas, onde montadoras, companhias aéreas e governos anunciaram uma série de promessas de reduzir as emissões de gases de efeito estufa do transporte global.

A avaliação da empresa reflete a capacidade da companhia de crescer rapidamente e seu plano para construir veículos comerciais, disse R.J. Scaringe, o fundador e CEO de Rivian, em entrevista à Bloomberg TV.

Isso começa com 100 mil picapes à bateria elétrica a serem entregas para a Amazon, que Scaringe descreveu como um "pedido inicial".

Além ddos veículos elétrocos de consumo, a Tesla também construiu um forte e crescente negócio de armazenamento de energia, incluindo energia solar, residencial e comercial. Scaringe indicou que a Rivian está pensando em expandir em linhas de negócios semelhantes.

Rivian tem investido pesadamente para aumentar sua produção, dobrando a de sua picape de luxo R1T totalmente elétrica, lançada em setembro. E planeja seguir o mesmo caminho com um SUV e uma van de entrega, atingindo alguns dos segmentos mais quentes do mercado.

No entanto, a empresa também tem problemas para aumentar a produção em Illinois, já que as restrições da cadeia de suprimentos atingem as montadoras em todo o mundo. Em julho passado, a fabricante afirmou que a COVID-19 e seu impacto sobre os fornecedores atrasaram o lançamento de veículos fora de Illinois.

A empresa , que tem sua sede em Irvine, Califórnia, planeja construir pelo menos um milhão de veículos por ano até o fim da década, disse Scaringe. Tem uma fábrica em Illinois e anunciou planos para abrir uma segunda fábrica nos EUA e, eventualmente, estabelecer a produção na China e na Europa

Fundada em 2009 como Mainstream Motors por Scaringe, a empresa foi renomeada em 2011 como Rivian, um nome derivado de "Indian River", na Flórida, lugar frequentado por Scaringe em um barco a remo quando jovem.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos