Robert F. Kennedy Jr. processa meios de comunicação por iniciativa contra desinformação

Robert F. Kennedy Jr., filho do candidato presidencial americano assassinado em 1968, e outros ativistas antivacina abriram um processo contra várias organizações de notícias que se uniram para lutar contra a desinformação.

A ação judicial de quase 100 páginas, apresentada esta semana a um tribunal distrital do Texas, no sul dos Estados Unidos, acusa os meios de comunicação e as empresas de redes sociais de conluio para censurar outros editores online com narrativas alternativas sobre a covid.

Além de Kennedy, entre os autores estão sua organização, a Children's Health Defense (Defesa da Saúde Infantil), grupos de notícias que promoveram teorias contra vacinas e médicos que são céticos sobre a covid e as vacinas.

Foram nomeados como alvo da ação The Washington Post, BBC, Associated Press e Reuters. Esses meios fazem parte da Iniciativa de Notícias Confiáveis (TNI, na sigla em inglês), uma associação que reúne organizações de mídia e empresas de tecnologia, como Facebook, Google, Twitter, YouTube e LinkedIn.

A Agence France-Presse (AFP) também é membro da TNI, cujo objetivo declarado é "lidar com a desinformação prejudicial".

O processo acusa as empresas de comunicação de colaborar para "excluir" os editores de notícias rivais cujo trabalho "desafia e compete com os informes dos membros da TNI sobre certos temas relacionados à covid-19 e à política americana".

"A lei federal antimonopólio tem um nome próprio para este tipo de 'associação industrial': chama-se 'boicote coletivo'", ressalta a denúncia.

Alega que os autores foram "censurados, desmonetizados, rebaixados, silenciados, bloqueados e/ou excluídos por completo de plataformas como Facebook, YouTube, Twitter, Instagram e LinkedIn".

"Embora a Iniciativa de Notícias Confiáveis pretenda publicamente ser uma autoproclamada 'polícia da verdade' que extirpa a 'informação errada' online, na verdade, suprimiu informes totalmente precisos e legítimos para promover o interesse econômico próprio de seus membros", afirma a ação.

Kennedy, de 68 anos, cujo pai homônimo foi assassinado em 1968 enquanto fazia campanha para a indicação presidencial democrata, se tornou o rosto do movimento antivacina depois de promover a teoria de que as vacinas causam autismo.

Os autores do processo pedem um julgamento por júri, danos não especificados e uma ordem que impeça a TNI de "continuar a trabalhar com companhias de internet para boicotar e censurar outros editores de notícias online".

cl/bgs/yow/db/ic/am