Roberto Dinamite: Velório teve rivais, campeões do mundo, time do Vasco e muitos torcedores

Ícone nos gramados com a camisa do Vasco, Roberto Dinamite ganhou um carinho sem qualquer fronteira de rivalidade ao longo desta segunda-feira. Representantes dos quatro grandes clubes do Rio foram a São Januário para prestar as últimas homenagens no velório do jogador, que morreu vítima de um câncer, aos 68 anos, no último domingo, e será sepultado nesta terça.

Dinamite e o Vasco: Em 52 anos, Roberto viveu eras de jogador, dirigente e ídolo

Família Dinamite: Quem são os filhos, netos e esposa do maior ídolo da história do Vasco

Roberto foi velado ao lado de sua estátua, na curva do estádio. Do mormaço que abriu mais um dia de clima instável na capital à chuva no fim de tarde, a torcida não arredou pé de seu templo sagrado, no qual reverenciava seu ídolo sem parar. Entre os que entraram na fila para se despedir no caixão e os que se sentavam nas arquibancadas da Colina histórica, milhares homenagearam o artilheiro pela última vez.

A cada dez minutos, ou à entrada de um convidado ligado ao clube na área cerimonial, gritos como “Ah, é Dinamite”, “Roberto” ou o tradicional “Casaca” eram entoados entre as mais de 100 pessoas que ficaram ali, sentadas, assistindo à cerimônia.

Entenda: Flamengo tentou contratar Roberto Dinamite?

Saiba: O que é câncer de intestino, doença que o ex-jogador tinha

Num momento bonito, torcedores chegaram a saudar Zico, ídolo do Flamengo e amigo pessoal de Dinamite. O Galinho, que já havia divulgado uma sensível mensagem de despedida no domingo, consolou a viúva de Roberto, Liliane, e falou com a imprensa sobre os grandes momentos vividos ao lado do rival e amigo.

— É o respeito que a gente tem pela camisa que vestimos e pela do adversário. Estamos lá para fazer o máximo de gols, mas sem desrespeitar o adversário. O legado dele é de um grande profissional, dirigente, sempre disposto a ajudar as pessoas, muito amigo, muito correto com as coisas. É uma série de fatores que muita gente já se inspirou e as futuras gerações podem se inspirar — comentou Zico.

Além do Galinho, o rubro-negro esteve representado oficialmente pelo gerente Juan e pelo vice-presidente geral e jurídico Rodrigo Dunshee. O ex-presidente Eduardo Bandeira de Mello e o comentarista Júnior também estiveram na cerimônia. O Fluminense foi outro rival a mostrar muito respeito por Roberto: o presidente Mário Bittencourt, o diretor de futebol Paulo Angioni e o diretor de planejamento Fred foram à cerimônia.

— Roberto era um dos mais completos. A quantidade de gols que ele fez (708). Eu até brinquei, a gente acha foi bom, fizemos 400 e nos achamos bons. Mas o mais legal é o legado dele. Meu pai e irmão falando do absurdo que ele jogava. O Roberto e o Zico eram amigos, não precisavam brigar e arrastavam 150 mil para o Maracanã. Eles têm essa classe. É dolorido e tentamos passar uma mensagem de conforto — disse Fred, ex-atacante e quem mais se aproximou da artilharia histórica de Dinamite no Brasileirão: 158 gols contra os 190 de Roberto.

O Botafogo se fez presente pelo presidente Durcesio Mello, o diretor de futebol André Mazzuco e o técnico Luis Castro. O treinador português comentou a perda:

— Sempre difícil quando referências partem. O Roberto, não só pelo que foi como jogador, mas fundamentalmente como ser humano, deixou um legado a todos. Sabem aquilo que penso. A dimensão humana está acima de tudo e o Roberto foi fantástico.

Campeões do mundo, Mazinho, Brito, Branco, Ricardo Rocha, Jorginho, Zinho, Cafu e Marco Antonio marcaram presença, bem como o presidente da CBF, Ednaldo Rodrigues. Personalidades como o cantor Paulinho da Viola, a cantora Teresa Cristiana e o streamer Casimiro também passaram por São Januário ao longo do dia. Vascaíno, o prefeito Eduardo Paes se emocionou e confirmou que um trecho da via em frente a São Januário vai se chamar Roberto Dinamite.

Do time de 2011, último campeão nacional com a camisa do clube, foram Prass, o ídolo Felipe, Fellipe Bastos, Ricardo Gomes (técnico) e Rodrigo Caetano (gerente de futebol). Dos ícones cruz-maltinos, estiveram lá nomes como Edmundo, Carlos Germano, Mauro Galvão, Sorato, Pedrinho, Antonio Lopes e Acácio.

O movimento dos vascaínos — e até de torcedores com camisas dos rivais — foi intenso do começo ao fim, às 19h. Nas horas finais do velório, funcionários tentavam acelerar o ritmo da fila para que todos pudessem ter a oportunidade de ver o ídolo. No lado de fora do estádio, a fila saindo da recém-batizada Avenida Roberto Dinamite dobrava a Rua Ricardo Machado e chegava à Francisco Palheta, uma curva quase completa nas arquibancadas.

O momento mais especial, porém, foi nas horas iniciais da cerimônia. O elenco vascaíno entrou no gramado, no primeiro encontro com a torcida em 2023, sob muita vibração. Jogadores e funcionários vestiam camisas com a inscrição “Dinamite, o maior de todos”. Nenê, atual dono da camisa 10 do cruz-maltino, que já foi de Roberto, a estendeu sobre o caixão.

— A honra que eu tenho de representá-lo com essa camisa e representar esse clube é algo que não tem preço — declarou o jogador.