Roberto Guilherme, o Sargento Pincel, morre aos 84 anos e família presta homenagens nas redes sociais

O ator Roberto Guilherme, de 84 anos, morreu nesta quinta-feira (10), no Rio de Janeiro. O artista conhecido por viver o personagem Sargento Pincel no programa "Os Trapalhões", da TV Globo, estava internado na Clínica São Vicente, na Gávea, Zona Sul. Ele lutava contra um câncer há alguns anos. Nas redes sociais, a família fez uma postagem no feed e nos stories do Instagram do ator.

"Apenas momentos felizes é como ele gostaria de ser lembrado . Então algumas fotos da última viagem que ele fez com a família. Descansa em paz melhor pai, marido , avô, irmão e amigo do mundo . Te amamos para sempre ! Aos fãs obrigada por tanto carinho , ele sempre amou vocês.", escreveram na legenda.

Há seis semanas atrás, Roberto chegou a receber a visita de Dedé Santana, com quem contracenou. "Muito assunto p colocar em dia.Valeu compadre Dedé Santana pela visita !!", diz o post.

A careca de Roberto Guilherme virou sua marca registrada. A falta de cabelos surgiu, no entanto, em uma esquete de humor, onde raspou a cabeça completamente.

Roberto na verdade se chama Edward e nasceu em Ladário, Corumbá (MT), em 25 de agosto de 1938. O nome artístico escolhido foi uma homenagem a Roberto Carlos. Edward começou a trabalhar cedo: aos 11 anos fazia e consertava tamancos em uma loja. Aos 14, chegou a jogar futebol profissionalmente, como ponta-esquerda, no Vasco da Gama.

Atingindo a maioridade, ele se alistou no Exército e tornou-se paraquedista. Entretanto, não abandonou o futebol. Ele chegou a disputar partidas pela Seleção Brasileira Militar de Futebol ao lado de Pelé. Representando o Brasil, Roberto Guilherme disputou partidas nos Estados Unidos, Inglaterra, Panamá, e Colômbia, e foi campeão sul-americano na categoria.

Ainda no Exército, ele escreveu uma peça de teatro amador encenada no Olaria Atlético Clube, na Zona Norte do Rio. Mas um dia um ator faltou, e Guilherme acabou o substituindo. Um produtor viu a peça, e convidou Roberto Guilherme para trabalhar na TV Rio.

Em 1963, foi para a TV Excelsior, onde conheceu Renato Aragão, o Didi. Eles contracenaram pela primeira vez no humorístico 'Um Dois, Feijão Com Arroz' (1965), que ainda tinha no elenco Dedé Santana, Dary Reis e Átila Iório. Depois, o ator passou a fazer parte do elenco fixo de 'Adoráveis Trapalhões', que tinha como astros principais Didi, Ted Boy Marino, Ivon Cury e Wanderley Cardoso.

Com o mesmo elenco, também atuou em 'Os Legionários' (1965), onde interpretava um militar, que não tinha nome, mas era o embrião do 'sargento Pincel'. Na Excelsior, ele ainda atuou no programa de aventuras '002 Contra o Crime' (1965) e na novela infanto-juvenil 'A Ilha do Tesouro' (1966).

Da Excelsior, Roberto Guilherme foi para a TV Record, onde viveu o 'sargento Pincel' pela primeira vez, no programa 'Quartel do Barulho' (1966). Depois, passou a fazer dupla com Renato Aragão no programa Praça da Alegria, ainda na Record. A convite de Wilton Franco, Roberto Guilherme retornou a Record, para trabalhar no programa Os Insociáveis (1971-1974), que reunia no elenco Didi, Dedé, Mussum e a cantora Vanusa.

Em 1969 o ator foi para a TV Tupi, trabalhar com Costinha no programa 'Do Que Se Trata' (1969). E ao lado de José Santa Cruz formou a dupla Jojoca e Xexéu, que fez muito sucesso no programa 'Telecentral do Riso'. Roberto Guilherme era Xexéu, um valentão que usava da ingenuidade de Jojoca para aplicar golpes e conquistar as garotas.

Em 1975 a trupe foi para a Tupi, e Zacarias passou a ser o quarto integrante do quarteto. Surgia 'Os Trapalhões'. Roberto Guilherme também fazia parte do programa, com personagens de apoio. O programa ficou no ar até 1976. Na Tupi, Roberto Guilherme também fez parte do programa jornalístico 'Abertura', idealizado por Fernando Barbosa Sobrinho.

Em 1980, o ator chegou a fazer teste para interpretar o palhaço Bozo, no SBT, mas perdeu a vaga para Wandeko Pipoca. Em 1981, Guilherme foi para a TV Globo, onde participou de programas como 'Viva o Gordo' e 'Balança Mais Não Cai'.

No entanto, foi no retorno de 'Os Trapalhões', que ficou na memória do público. Entre 1982 a 2013, atuou em diversos projetos liderados por Renato Aragão, inclusive 'Os Trapalhões em Portugal' (1995-1997), produzido pela SIC (televisão portuguesa).