Roberto Waack: Soluções para a crise climática "virão do setor privado"

Em 2022, a celebração do Dia Mundial do Meio Ambiente completa 50 anos – em 1972, a primeira conferência internacional para tratar sobre o meio ambiente, em Estocolmo (Suécia), estabeleceu o 5 de junho como um dia de conscientização sobre a proteção dos recursos naturais do planeta.

Cinquenta anos depois, "a gente já sabe o que precisa ser feito e já sabe como fazer”, argumenta Roberto Waack, cofundador da iniciativa Uma Concertação pela Amazônia, que reúne mais de 600 lideranças e organizações pelo desenvolvimento sustentável, das quais cerca de 40% vêm do setor privado.

"A grande angústia é por que não ainda conseguimos fazer na velocidade que precisamos”, afirma, em entrevista à RFI à margem da conferência Estocolmo +50, realizada esta semana na capital sueca.

"Não tem muito mais o que ficar discutindo: agora é o momento de ação. A sociedade civil aponta o problema, mas a maior parte das soluções está no setor privado, já que é ele quem atua nessa transformação que precisamos”, aponta Waack, presidente do conselho do Instituto Arapyaú e um dos pioneiros no país em promover o engajamento das empresas com a transição ecológica.

Para ouvir a entrevista completa, clique acima.


Leia mais

Leia também:
50 anos após conferência ambiental histórica, Estocolmo agora debate transição ecológica justa
"Planificação ecológica" anunciada por Macron é oportunidade inédita, mas suscita ceticismo
Clima: relatório aponta 1 chance sobre 2 de que temperatura global ultrapasse +1,5 °C em cinco anos

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos