Rock de Mick Jagger com Dave Grohl fala de máscaras, Zoom, aliens, Bill Gates e samba

O Globo
·1 minuto de leitura
image002 (1).png

Líder dos Rolling Stones, Mick Jagger surpreendeu os fãs ao lançar sem aviso prévio um single solo, batizado de "Eazy sleazy". Quer dizer, quase solo: enquanto toca guitarra e canta, Jagger é acompanhado na bateria, guitarra e baixo por outro astro do rock, Dave Grohl, o líder dos Foo Fighters.

Como era de esperar, o encontro — virtual, já que Jagger gravou de sua casa e Grohl, do estúdio da sua banda — resultou num rock de alta voltagem e dos bons, com versos cheios de humor ácido inspirados no lockdown que o Stone enfrentou na Inglaterra.

A letra, que traz uma mensagem otimista bem ao estilo Jagger, cita ligações por Zoom, isolamento social, máscaras, excesso de televisão, aliens, Bill Gates e até o brasileiríssimo samba — num trecho, o roqueiro canta "That's a pretty mask/ But never take a chance Tik Tok stupid dance/ Took a samba class I landed on my ass", verborragicamente rimando que caiu de bunda enquanto fazia uma aula de samba.

Em comunicado enviado à imprensa, Jagger agradeceu a Dave Grohl e disse que "Eazy sleazy" é uma música que escreveu "sobre como sair do lockdown, com um certo otimismo, que é muito necessário".

Já Grohl disse que gravar com o ídolo está além de um sonho que se tornou realidade. "Bem, quando eu pensei que a vida não poderia ficar mais louca... Achamos a música do verão, sem dúvida!", apostou.

Os Rolling Stones já tinham lançado um single sobre a pandemia há um ano, "Living in a ghost town", além de uma gravação inédita com Jimmy Page e um remix do brasileiro Alok. Já os Foo Fighters lançaram o álbum "Medicine at midnight".