Rodrigo Garcia evita tratar Doria como candidato e endurece discurso sobre segurança

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O governador de São Paulo e pré-candidato ao cargo, Rodrigo Garcia (PSDB), evitou tratar o ex-governador João Doria (PSDB) como candidato à Presidência da República e disse que a polícia vai reagir e atirar em criminosos.

As afirmações foram feitas durante sabatina realizada por Folha de S.Paulo e UOL com postulantes ao Palácio dos Bandeirantes.

Rodrigo Garcia alcançou 6% na pesquisa Datafolha de abril, empatado no limite da margem de erro com Tarcísio de Freitas (Republicanos). A corrida é liderada por Fernando Haddad (PT), com 29%, à frente de Márcio França (PSB), com 20%.

Rodrigo assumiu no início de abril, após Doria deixar o cargo para tentar se viabilizar como candidato a presidente. No entanto, depois disso, o PSDB decidiu que a escolha seria feito entre partidos da chamada terceira via, grupo formado também pelo MDB e União Brasil.

Questionado diversas vezes sobre o assunto, Rodrigo não tratou Doria como candidato ao Planalto. Entre aliados dele, há o entendimento de que, se o ex-governador for candidato à Presidência, pode atrapalhar Rodrigo em São Paulo, devido à sua impopularidade.

O governador defendeu, na entrevista, as credenciais de Doria, as prévias do partido e disse que ele é o mais experiente dos pré-candidatos. No entanto, afirmou que o nome dele deve ser submetido aos partidos da terceira via e citou credenciais também de Simone Tebet (MDB), a quem classificou como uma "mulher de fibra" e "com muita experiência".

O tucano disse que por meio de pesquisas o grupo vai identificar o "que melhor representa o futuro do Brasil".

"Entendemos que o centro democrático, os partidos que não querem eleger nem Lula nem Bolsonaro escolhem um único candidato. Esse esforço da melhor via está sendo feito", disse. "Eu vou lutar enquanto governador, agente político, para que a gente consiga manter esse centro democrático unido."

Rodrigo repetiu o discurso de que não é candidato de ninguém e tentou se esquivar da nacionalização da corrida ao governo. "Eu não sou candidato de A ou de B, sou candidato da minha história, de tudo que construí por São Paulo e pelo que penso para o futuro de São Paulo. São Paulo não vai andar na garupa de ninguém nessas eleições nacionais."

Em uma entrevista em que tentou fugir de respostas polêmicas a todo momento, o governador falou sobre os bastidores do dia em que Doria ameaçou não deixar o governo, mas sem relatar os momentos tensos ocorridos dentro do Palácio dos Bandeirantes naquele dia.

"Existiu uma avaliação se ele concluiria essa decisão da renúncia, de buscar a candidatura presidencial, eu respeitei em todos os momentos a decisão que era unilateral dele e ao final do dia 31 ele tomou a decisão de sair do cargo para disputar a Presidência", disse. Rodrigo afirmou que, se não tivesse terminado assim, não saberia qual seria sua decisão sobre seu futuro político e que houve muita especulação sobre o caso.

Rodrigo sugeriu que está em busca de eleitores de todos espectros políticos e, na corrida nacional, fugiu de respostas sobre se preferia Bolsonaro ou Lula. "Se eu tiver que dialogar com o Lula para defender os interesses de São Paulo, eu vou dialogar. Se tiver que dialogar com Bolsonaro, eu vou dialogar."

Questionado em quem votaria numa eventual disputa entre os dois, que hoje são os mais bem colocados na disputa, ele se esquivou novamente. "Não vou ter essa encruzilhada, a melhor via vai para o segundo turno", disse.

Rodrigo também afirmou que o ex-governador Geraldo Alckmin (PSB) errou ao virar pré-candidato a vice de Lula. "Eu respeito a história do Geraldo Alckmin, mas não faria o que ele fez."

Na segurança pública, ele reafirmou discurso duro e disse que "a ordem minha é que se cumpra a lei em São Paulo". "Dou sim uma palavra muito dura de proteção ao cidadão de bem e de combate à criminalidade."

"Bandido que cometer crime em São Paulo vai ser preso. Bandidos que reagirem e levantarem a arma para a polícia vão tomar bala. Falei isso sim porque acredito que a polícia deve e vai reagir contra o crime. Bandido que não quer ser morto não reaja quando for abordado. É defender a vida do policial e fazer com que ele possa dentro dos limites da lei exercer a sua atividade", disse.

A linha tomada por Rodrigo lembra a adotada por Doria, que assumiu um discurso repressivo nas eleições de 2018 e pegou carona no bolsonarismo. Na ocasião, o tucano disse que em seu governo a polícia iria atirar para matar.

Questionado sobre a onda de roubos, o governador afirmou que os casos acontecem porque a vida está voltando ao normal, citando que os números atuais são parecidos com 2019, antes da pandemia da Covid-19.

"É um novo governo, um novo momento e estamos diante de vários problemas que estão vindo aí. Essa quadrilha do Pix um ano atrás não existia, esse volume de roubo de celulares não existia", disse.

Rodrigo afirmou que haverá blitze contra falsos entregadores que praticam roubos na cidade.

Também disse ser a favor das câmeras corporais em uniformes policiais e que essa política será mantida.

Ele ainda repercutiu afirmação do pré-candidato Márcio França (PSB), que disse que em seu governo não existiria mais cracolândia em dois anos.

"Não é uma tarefa simples, eu já vi gente prometendo que vai acabar com dois ou três anos, é uma tarefa permanente e nós não vamos desistir enquanto não vir a situação melhor ali na cracolândia."

Rodrigo afirmou que, na área da saúde, não há expectativa da volta de medidas restritivas e obrigatoriedade de máscaras.

Na educação, o governo afirmou ser a favor de cobrança de mensalidade em universidades públicas. "Se for para aumentar vaga para pobre estudar na USP, quem puder pagar eu não vejo problema."

O governador ainda defendeu a ação de sua base na Assembleia Legislativa, que impediu a realização de uma CPI para investigar crimes na Dersa, afirmando que o caso já foi investigado. "Tem que separar a CPI que busca esclarecer e dar transparência aos problemas do estado daquela que é uma discussão política", disse.

A entrevista com o governador foi conduzida pela apresentadora Fabíola Cidral, pelo colunista do UOL Leonardo Sakamoto e pela jornalista da Folha de S.Paulo Carolina Linhares.

Outras sabatinas estão confirmadas: Vinicius Poit (Novo), nesta quarta, às 16h; Altino Junior (PSTU), no dia 5, às 10h; Gabriel Colombo (PCB), no dia 5, às 16h; Tarcísio de Freitas (Republicanos), no dia 6, às 10h; e Fernando Haddad (PT), no dia 6, às 16h. As sabatinas são ao vivo, e cada pré-candidato tem direito a 60 minutos de fala. Veja aqui todas as datas.

RAIO-X

Rodrigo Garcia, 47

Nasceu em maio de 1974, em Tanabi (SP). Atual governador de São Paulo, foi criado em São José do Rio Preto (SP), é advogado e dono de uma empresa de agropecuária. Começou a trabalhar como assistente técnico na Câmara dos Deputados e alcançou espaço na política como deputado estadual, federal e secretário estadual. Foi aliado de Gilberto Kassab (PSD), secretário de Governo e vice-governador do estado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos