Maia diz que Bolsonaro não tem coragem de demitir Mandetta e mudar política contra coronavírus

Foto: NELSON ALMEIDA/AFP via Getty Images

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta sexta-feira (3) que, apesar dos ataques, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não tem coragem de demitir o ministro Luiz Henrique Mandetta (Saúde) e mudar a política de enfrentamento ao coronavírus.

As declarações foram feitas durante videoconferência promovida pelo jornal Valor Econômico com o banco Itaú e que contou com a participação de Mário Mesquita, economista-chefe do banco.

Leia também

O deputado criticou os ataques de Bolsonaro ao ministro da Saúde. "É fundamental que, no meio do processo [de enfrentamento à doença], a gente não tenha uma perda de um nome como o do Mandetta", disse.

Segundo Maia, uma eventual troca mudaria a política do Ministério da Saúde e significaria que Bolsonaro não acredita no que o ministro está fazendo. "Ao mesmo tempo, ele não tem coragem de tirar o ministro e mudar oficialmente a política. Ele fica numa posição dúbia".

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Para o presidente da Câmara, Bolsonaro mais atrapalha do que ajuda quando vem a público criticar o ministro, mas Mandetta tem tido "paciência e todo equilíbrio" para continuar reafirmando a mesma posição do Ministério, sem se submeter à pressão do presidente.

Maia lembrou que Mandetta foi escolhido por Bolsonaro. "Esse conflito que ele constrói agora com o ministro, do ponto de vista concreto, não faz sentido, porque ele delegou ao ministro a área técnica", afirmou o deputado.

Ele ainda sugeriu que o presidente estaria ouvindo "quem quer o cargo do Mandetta de forma oportunista" e que uma troca de comando do Ministério da Saúde seria decisão política de Bolsonaro. "E toda decisão política tem consequência."

Para Maia, apesar dos ataques, Bolsonaro reconhece o trabalho do ministro. "Temos toda confiança, e todo respaldo que o ministro precisar da maioria da Câmara, no meu mandato, na minha Presidência, ele tem."

Na noite de quinta-feira (2), Bolsonaro afirmou que está faltando "humildade" ao ministro da Saúde. "Tá faltando um pouco mais de humildade pro Mandetta", disse o presidente. "O Mandetta em alguns momentos teria que ouvir um pouco mais o presidente da República."

Questionado sobre as declarações do presidente, Mandetta apenas respondeu inicialmente: "ok".

"Não comento o que o presidente da República fala. Ele tem mandato popular, e quem tem mandato popular fala, e quem não tem, como eu, trabalha", declarou.

Em seguida, disse que estava analisando dados sobre o novo coronavírus e preocupado com a situação de algumas regiões.

"Eu acho que estamos frente a uma doença nova, e está todo mundo aprendendo com essa doença. Vamos saber o que ela vai fazer com nosso sistema de saúde. Rezo a Deus que nada disso aconteça aqui, que eu esteja absolutamente errado, que toda a ciência esteja absolutamente errada", afirmou o ministro.

Mandetta e Bolsonaro vem travando um embate desde o começo da crise. O ministro tem defendido políticas de isolamento social frente à pandemia, incluindo o fechamento de estabelecimentos comerciais, como forma de evitar aglomerações e a proliferação da doença.

Bolsonaro, no entanto, tem criticado esse discurso e as medidas, defendidas por Mandetta, adotadas pelos governadores de decretar uma quarentena.

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.

***Por Danielle Brant, da Folhapress