Rodrigo Mussi desabafa sobre luta de quem se recupera de traumatismo craniano; entenda como é o tratamento

O ex-BBB Rodrigo Mussi usou seu perfil no Instagram para desabafar sobre o processo de recuperação do traumatismo craniano sofrido após um acidente de carro em março. Neste sábado (11), ele publicou um vídeo em seus stories no qual aparece se exercitando em uma bicicleta ergométrica, como parte de sua fisioterapia, e compartilhou: "A recuperação do traumatismo craniano é uma luta. É forte, traumatismo craniano é algo muito delicado".

O gerente comercial completou ainda: "Estou pronto para vencer mais essa etapa da vida. Só quem teve traumatismo craniano sabe a dificuldade que é. É difícil, mas vamos lá".

'BBB 23': Família faz campanha por Rodrigo Mussi na próxima edição do reality

Pão da Juma: padeiro cria receita inspirada em 'Pantanal'

'Round 6': série sucesso da Netflix tem segunda temporada confirmada, e criador revela spoilers

O acidente aconteceu na madrugada do dia 31 de março, em São Paulo, durante uma corrida em um carro de aplicativo. O motorista perdeu o controle do veículo e bateu na traseira de um caminhão após ter dormido na direção.

O ex-BBB foi socorrido para o Hospital das Clínicas, onde passou por três cirurgias e ficou internado por 28 dias. Após receber alta, foi transferido para a rede de reabilitação Lucy Montoro, durante quase um mês, para se dedicar a exercícios intensos de fisioterapia. Neste momento, Rodrigo se recupera de casa, com o acompanhamento de uma equipe de profissionais.

— Estou muito animado! Minha rotina está bem intensa entre as sessões e compromissos de trabalho. Estar aqui é um milagre e toda a evolução que tenho ainda é. Em cada sessão e consulta, tenho algum resultado novo. Aos poucos estou voltando, muito feliz por estar vivo — disse Rodrigo Mussi em entrevista ao GLOBO. O ex-BBB revelou ainda seu exercício preferido.— Bike, com certeza. Eu já amava, então é muito bom voltar aos poucos.

Rotina de tratamento

A enfermeira e gerente da Humanize Saúde, responsável pelo tratamento domiciliar de Rodrigo Mussi, explica que, após uma rotina inicial com cinco sessões de fisioterapia por semana e três de fonoterapia, o paciente iniciará o protocolo diário de neuromodulação aplicado à fonoaudiologia.

Rodrigo deve continuar indo aos retornos ambulatoriais que já estão marcados com o setor de fisiatria da Rede Lucy Montoro. Paralelamente, também está sendo acompanhado por médicos das especialidades de psicologia, psiquiatria, nutrologia e nutrição, terapia ocupacional e enfermagem dermatológica.

Juliette: entenda o aneurisma cerebral, diagnosticado na ex-BBB e em outros famosos

Síndrome de Ramsay Hunt: Mulher de Justin Bieber faz declaração de amor ao marido, que sofre de condição rara

'As Patroas': Maiara e Maraisa são proibidas pela Justiça de continuar com nome usado com Marília Mendonça; entenda

A fisioterapeuta Rejane Atallah, que acompanha Rodrigo, afirma que os exercícios serão voltados ao ganho de força muscular, equilíbrio, coordenação, duplas tarefas, agilidade, motricidade fina, melhora da descarga de peso em membro inferior direito, e elaboração de estratégias motoras, associados a estímulos cognitivos de memória e atenção. Segundo a profissional, os exercícios deverão ser feitos preferencialmente todos os dias, até que o paciente recupere autonomia.

A importância dos exercícios

Antheya Samanta da Nóbrega Araújo destaca ainda a importância dos exercícios na recuperação de pacientes que sofrem sofrem traumatismo craniano encefálico com lesão frontal e em base de crânio, como foi o caso de Rodrigo Mussi.

Segundo a profissional, as vítimas deste tipo de lesão podem apresentar sequelas físicas, cognitivas e comportamentais, e a resposta precisa ser a mais rápida possível, para aproveitar a a capacidade do sistema nervoso de readaptação a novos estímulos para modificar estruturas e funções que foram perdidas ou parcialmente perdidas em decorrência da lesão neurológica.

— A terapia de reabilitação consiste em adequar e reorganizar o maior número de atividades físicas e cognitivas que foram prejudicadas na lesão cerebral, aproveitando o período de neuroplasticidade pós-lesão. Dessa forma, precisamos aproveitar e estimular o cérebro durante esse período no qual ele é capaz de se reestruturar em função de novas exigências ambientais ou das limitações funcionais exigidas pela lesão cerebral.— afirma Antheya.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos