Rogério Caboclo: denúncia de assédio é alterada para 'conduta inapropriada', e afastamento da CBF definido em 15 meses

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Rogério Caboclo durante evento da Conmebol em 2019 (Foto: NORBERTO DUARTE/AFP via Getty Images)
Rogério Caboclo durante evento da Conmebol em 2019 (Foto: NORBERTO DUARTE/AFP via Getty Images)

Acusado por uma funcionária de assédio sexual e moral, o presidente da CBF, Rogério Caboclo, teve sua pena definida pela Comissão de Ética da entidade. Ao todo, ele ficará afastado do cargo por 15 meses. A decisão ainda precisa ser alvo de deliberação da assembleia geral da CBF, composta pelas 27 federações estaduais.

A decisão acabou se mostrando branda por dois motivos. Primeiro porque, com este tempo de afastamento, Caboclo poderá retomar seu mandato, que vence apenas em abril de 2023. Como ele está afastado desde 6 de junho, a pena vai até setembro de 2022.

Leia também:

Além disso, a acusação inicial foi retirada da denúncia. Ao invés de assédio sexual e moral, Caboclo foi punido por "conduta inapropriada". Vale lembrar que gravações mostraram que o dirigente fazia perguntas à funcionária como "Você se masturba?" além de oferecer biscoito de cachorro para ela.

O dirigente, contudo, não terá tempo hábil para se reeleger. Isso porque a nova eleição da CBF está prevista para ocorrer em abril. Ou seja: cinco meses antes do fim de sua pena. Até lá, quem segue à frente da entidade é o Coronel Nunes, já que não houve um afastamento definitivo de Caboclo (o que obrigaria a realização de uma nova votação imediata entre os vice-presidentes que compuseram a chapa com ele).

Rogério Caboclo está afastado da presidência da CBF desde o dia 6 de junho. Ele é acusado de ter praticado assédio moral e sexual contra uma funcionária, que era sua secretária. Ela contou que o presidente afastado a constrangeu, com perguntas de cunho sexual, entre as quais se ela tinha o hábito de se masturbar.

Ele também teria tentado obrigá-la a comer um biscoito para cães, chamando-a de "cadela". Sob efeito de álcool, ele ainda teria constrangido a secretária na frente de diretores da entidade, criando histórias de relacionamentos entre ela e outros funcionários da CBF.

Em julho, uma segunda mulher, ex-funcionária da CBF, afirmou em depoimento ao Ministério Público do Rio de Janeiro que também foi vítima de assédio moral e sexual praticado por Rogério Caboclo, enquanto ele era presidente da entidade. O blog de Ancelmo Gois já havia informado que uma das funcionárias que acusa Caboclo de assédio revelou que foi agredida fisicamente por ele.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos