Rogério Caboclo é afastado da CBF por 30 dias

·1 minuto de leitura
Soccer - Conmebol Summit for Copa Libertadores - Conmebol Headquarters, Luque, Paraguay - November 5, 2019   President of Brazilian Soccer Confederation, Rogerio Caboclo during the press conference after the Monumental de Lima was chosen to host the Libertadores Final 2019  REUTERS/Jorge Adorno
Caboclo foi acusado de crime sexual por uma funcionároa da CBF

Rogério Caboclo é mais presidente da CBF. O dirigente foi afastado por 30 dias, a partir deste domingo, por uma decisão da Comissão de Ética da confederação após a revelação de uma funcionária que acusou o cartola de assédio sexual e moral. Ele nega. 

O vice mais velho, Antônio Carlos Nunes, assume a CBF durante o afastamento. Uma reunião entre os diretores e vice-presidentes foi convocada para a manhã de segunda-feira no Rio de Janeiro. Mais informações em instantes.

Pressionado por patrocinadores e outros dirigentes , Caboclo cuidará de sua defesa e sairá de cena num momento de tensão entre comissão técnica e jogadores da seleção antes da Copa América. Tite e o grupo de atletas prometem se manifestar na terça-feira, após o duelo contra o Paraguai, sobre a realização do torneio no país.

Neste domingo, André Rizek, do SporTV, falou que Caboclo prometeu ao governo federal trocar Tite por Renato Gaúcho após a partida de terça.

Denúncia

A funcionária que fez as acusações disse que o cartola tinha comportamentos abusivos, perguntou se ela se "masturbava" e tentou forçá-la a comer um biscoito de cachorro, chamando-a de "cadela".

Segundo relato da funcionária, que tem oito anos de CBF, Caboclo fazia consumo de álcool durante o expediente. Ela era obrigada a esconder garrafas no banheiro para que Caboclo pudesse beber sem ser notado. Ela também recolhia as garrafas vazias. Em viagens, era orientada a pedir bebidas s para ele nos hotéis, mas sempre o consumo era marcado na comanda dela.