Roland Garros troca a raquete de tênis pela de outro esporte: o padel

Apenas algumas semanas após o famoso torneio de tênis, Roland Garros muda de cenário e de... raquetes, com a disputa até domingo de seu primeiro grande evento de padel, modalidade em plena ascensão na França e em muitos outros países. No meio da quadra Philippe Chartrier, o saibro deu lugar a uma superfície sintética azul e a uma gaiola de vidro.

Panorama esportivo: Vasco se reúne com Alex Teixeira e volta fica mais próxima

Protesto: Manifestantes pró-clima interrompem etapa do Tour de France

Templo do tênis, Roland Garros quer se tornar um palco obrigatório do circuito mundial de padel, reunindo as 56 melhores duplas deste esporte. O torneio, organizado em conjunto pela Federação Francesa de Tênis (FFT) e o QSI, fundo do Catar dono do PSG, já conquistou a categoria Grand Slam em sua primeira edição, juntamente com as provas em Doha, Roma e México.

Criado no fim da década de 1960 no México, o padel é uma modalidade praticada em duplas em uma quadra menor que a de tênis e cercada por quatro vidros, nos quais a bola pode quicar. Os pontos são calculados da mesma forma que no tênis (15-30-40-game). Você precisa vencer seis games para ganhar um set, e dois sets para vencer a partida.

Carlota: Melhor do mundo, Alexia Putellas está fora da próxima temporada

Que perigo! Surfista publica vídeo rodeado por tubarões na Flórida; veja

Embora a França ainda não tenha o número de praticantes que a Espanha (300 mil contra cerca de 4 milhões), o diretor do torneio parisiense, Arnaud Di Pasquale, assegura que o esporte vive um boom, que só começou a ter praticantes no país há três ou quatro anos. E isso teve a ver com o fato de alguns rostos conhecidos terem promovido a modalidade, como o técnico de futebol Zinedine Zidane, que há poucos dias inaugurou um complexo de seis quadras.

- Um dia, o padel se tornará o esporte de raquete número 2 na França e, por que não, poderá superar o tênis - diz o francês número 1 da especialidade, Benjamin Tison, de 33 anos, que ocupa a posição 69 no ranking mundial.

Fácil de praticar

A modalidade começou como uma moda entre os tenistas. Mas Di Pasquale diz que "atualmente, 60% dos praticantes não vêm do tênis".

- É um esporte fácil: todo mundo pode rebater, mandar a bola rapidamente. Isso faz qualquer um pensar que pode jogar logo, algo que é raro no esporte. Também é lúdico e muito divertido. E no mais alto nível, pode se tornar espetacular - acrescenta o diretor do torneio.

As autoridades francesas ainda têm trabalho a fazer para tornar esta prática uma das principais e mais populares modalidades do país, especialmente expandindo o torneio para a categoria feminina.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos