Ronaldinho Gaúcho pode ser solto ou ir para prisão domiciliar nesta terça

Ronaldinho Gaúcho e seu irmão Assis podem ser soltos ou transferidos para prisão domiciliar após a audiência na tarde desta terça-feira, em Assunção, no Paraguai. Presos há um mês e um dia, após entrarem no país com passaportes adulterados, os brasileiros dependem da decisão do juiz Gustavo Amarilla para deixar a cadeia. As informações são do site “Globoesporte.com".

Links do dia

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Esportes no Google News

Desde que chegaram à Agrupación Especializada, uma um quartel da Polícia Nacional do Paraguai transformado em prisão de segurança máxima, os irmãos tiveram três recursos apresentados por sua defesa e negados pela Justiça paraguaia. Esta é a quarta tentativa de tirá-los da detenção.

Leia também:

ENTENDA O CASO
Ronaldinho e Assis chegaram ao Paraguai no dia 4 de março para realizar ações publicitárias de um livro, sendo recebidos com festa logo no aeroporto de Assunção. Eles apresentaram passaportes falsos logo no desembarque, que afirmavam que os dois eram paraguaios naturalizados, o que é mentira. Os policiais notaram a veracidade duvidosa dos documentos na hora, mas optaram por não realizar as prisões de imediato para não gerar um grande alvoroço no local.

Na madrugada de quarta-feira para quinta, uma equipe policial chegou no local onde os dois brasileiros estavam hospedados para realizar uma investigação, onde encontraram os dois passaportes falsificados. Tanto Ronaldinho como Roberto foram levados à uma delegacia para prestar depoimentos.

O Ministério Público culpou o empresário Wilmondes Sousa Lira, que teria sido acusado de confeccionar os documentos falsificados, e as paraguaias María Isabel Galloso e Esperanza Apolonia Caballero por participarem do esquema. Todavia, Ronaldinho e Roberto Assis teriam sido enganados e, por colaborarem com detalhes ricos à investigação e admitirem culpa no caso, foram enquadrados no esquema de critério de oportunidade pela promotoria paraguaia, que os deixariam livres de qualquer processo judicial no país.

REVIRAVOLTA E PRISÃO
Na audiência em que seria definida o tamanho dessa "pena social", houve uma reviravolta. A justiça não aceitou dar o "critério de oportunidade" para Ronaldinho e Roberto. O MP mudou sua posição e pediu a prisão preventiva dos irmãos. Às 22h de sexta-feira, 6 de março, quando estavam num hotel próximo ao aeroporto, os irmãos Assis foram detidos e levados para a Agrupación Especializada. Desde então três recursos apresentados pela defesa de Ronaldinho foram negados pela Justiça. Os advogados de defesa não conseguiram nem mudar os irmãos Assis para uma prisão domiciliar, e nem anular a prisão preventiva, que no Paraguai pode durar até seis meses. O argumento para mantê-los presos foi sempre o mesmo: soltá-los poderia prejudicar o andamento das investigações.

O último os recursos foi negado no dia 13 de março, uma semana depois da prisão. Desde então, o sistema judicial do Paraguai teve o funcionamento reduzido em decorrência da pandemia do coronavírus.

Siga o Yahoo Esportes no Instagram, Facebook e Twitter e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.