Ronaldo fala sobre chance de desistir da SAF do Cruzeiro, volta do protagonismo e saída de Fábio

·3 min de leitura

A terça-feira marcou um dos principais momentos do início da gestão de Ronaldo no Cruzeiro. O ex-jogador atendeu jornalistas em sua primeira entrevista coletiva e falou sobre a situação financeira do clube e os planos para curto e médio prazo. Ronaldo assumirá 90% das ações do clube mineiro mediante investimentos acordados na faixa dos 400 milhões, mas explicou que o momento é de entendimento e análise.

Perguntado sobre a possibilidade de desistir do investimento no clube mineiro, o ex-atacante disse que há possibilidade prevista em contrato. Mas não pensa em fazê-lo.

— Tecnicamente, sim. No contrato, há essa saída, mas está longe da minha cabeça, do meu pensamento, desistir do projeto. No momento, estamos em um processo de análise do clube, entender o tamanho do buraco, da dívida, os credores. Meu desejo é continuar e ficar aqui até fazer com que o clube volte a ser grande como era antes.

O dirigente também explicou a saída de Fábio. Ídolo da torcida, o goleiro estava prestes a completar 1000 jogos com a camisa celeste, mas acabou não entrando em acordo com o clube para a renovação de seu vínculo. A saída motivou os primeiros protestos da torcida contra a nova gestão.

— O Fábio foi e vai ser sempre um ídolo pro Cruzeiro e pra torcida. Diante do cenário atual, nós fizemos um esforço muito grande para oferecer uma proposta decente a ele, respeitando sua história no clube, sua trajetória. Infelizmente durante a negociação, houve uma negativa por parte dele, o que também nos pegou de surpresa. Mas entendemos que todo o sacrifício que deveríamos ter feito, foi feito. Temos que virar a página, seguir adiante.

Sobre a situação financeira do Cruzeiro, o atacante comparou o clube a um "paciente na UTI". Segundo Ronaldo, contratos e gastos foram e estão sendo revistos para sanear a situação, em meio a dívida que já supera a casa do bilhão de reais. A principal delas, que pode inviabilizar parcialmente as operações do futebol, é o transfer ban, a punição da Fifa por dívidas em negociações de atletas, que bloqueia o clube de registrar novos nomes. A expectativa é a de que os valores devidos cheguem aos 140 milhões de reais até 2023.

— É uma dívida que dificilmente poderá ser negociada, mas vamos tentar negociar, entender um pouco das outras dívidas também. Enfim, nosso compromisso é de cumprir com todas as dívidas que nos correspondem.

Segundo Ronaldo, o orçamento do futebol era de R$ 90 milhões, com previsão de receita de apenas 60 milhões. Com as renegociações, o valor caiu para a casa dos 35 milhões. O dirigente prometeu, ainda assim, montar um time competitivo na realidade do clube, com a ajuda do novo técnico, Paulo Pezzolano, e do departamento de futebol.

Por fim, o ex-jogador falou sobre o objetivo a médio prazo para o Cruzeiro: voltar às grandes competições, incluindo a Libertadores. O executivo destaca, porém, que o objetivo primordial da temporada é conseguir o acesso à Série A, que o clube não conseguiu atingir nas últimas duas temporadas.

— O objetivo é fazer o clube voltar às grandes competições e ser protagonista tanto no Brasil quanto na América do Sul, por meio da Libertadores. Logicamente, a curto prazo, o principal e único objetivo é o de voltar à Série A do Brasileiro. Para isso, temos de reduzir custo em todas as esferas do clube, transmitir esse novo padrão de gestão a todos os funcionários, atletas e colaboradores. A partir daí, com gestão eficiente, pensamos logicamente a médio e longo prazo em disputar todos os títulos que o clube merece.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos