Ronaldo Fenômeno liga programa com travestis em 2008 a abuso de álcool

·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 17.01.2018 - O ex-jogador de futebol Ronaldo na Fundação Fenômenos, em São Paulo. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 17.01.2018 - O ex-jogador de futebol Ronaldo na Fundação Fenômenos, em São Paulo. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Ex-atacante da seleção brasileira e de times como Milan, Real Madri e Corinthians, Ronaldo Nazário, o Fenômeno, 44, diz que o episódio em 2008 em que se viu envolvido com travestis teve a ver com abuso de álcool.

Em entrevista ao Conversa com Bial (Globo), o ex-jogador disse que costumava beber com frequência. "É uma coisa que me incomoda, mas só fiz mal a mim mesmo. Foi um momento muito difícil, com certeza ligado ao álcool. Foi um momento muito difícil pra mim naquela época", disse.

Na ocasião, Ronaldo foi acusado pela travesti Andréia Albertino de não pagar pelo programa em um motel da Barra da Tijuca, no Rio. O atleta alegou na época que estava sendo vítima de uma tentativa de extorsão no valor de R$ 50 mil.

Ronaldo jogava no Milan, da Itália, mas se recuperava de uma lesão na cidade carioca. Segundo o delegado Carlos Augusto Nogueira, titular da 16ª DP (Barra da Tijuca), Ronaldo saiu de uma boate no bairro, onde fora festejar a vitória do Flamengo. Ele teria pego uma prostituta entre 4h e 5h, que teria chamado mais duas amigas para irem ao motel Papillon.

Quando o atleta descobriu que todos eram travestis, desistiu do programa. Eles ainda teriam oferecido drogas a Ronaldo, que não aceitou, segundo a versão para o delegado. Albertino teria tentado chantagear Ronaldo pedindo R$ 50 mil para não divulgar à imprensa que ele havia saído com três travestis.

Dias depois, as travestis Andréia Albertine e Carla Tamine recuaram e, segundo a polícia, disseram ter mentido sobre a confusão. Em depoimento, ambas negaram que tivessem feito sexo e consumido drogas com o ex-jogador. Segundo o delegado, afirmaram que inventaram a história para "subir na vida".

Em 2009, a travesti Andréia morreu. Ela sofria com uma meningite cujo quadro foi agravado por uma pneumonia.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos