Rosa Weber vota para impedir que juízes determinem bloqueio de Whatsapp

Carolina Brígido
A ministra Rosa Weber em sessão remota do STF

BRASÍLIA — A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), votou nesta quarta-feira para impedir que decisões judiciais determinem o bloqueio do serviço prestado pelo WhatsApp. A ministra também afirmou que os provedores têm o dever de manter o sigilo das mensagens trocadas pelos usuários. A única exceção é se houver decisão judicial determinando o encaminhamento de mensagem de usuário específico para instruir investigação criminal.

— Não há na lei nada que autorize a conclusão de ordens de suspensão do serviço de comunicação oferecidos por provedores de aplicativo em caso de decisão judicial — ressaltou a ministra.

Saiba: Quais são os alvos da PF no inquérito que apura fake news e ataques aos ministros do STF

O julgamento foi interrompido e será retomado na quinta-feira, com os votos de outros nove ministros. O presidente, Dias Toffoli, não deve participar da sessão, porque está de licença médica.

Estão em julgamento duas ações. Uma delas questiona a Lei 12.965, de 2014, conhecida como Marco Civil da Internet. O partido argumenta que a lei autoriza que ordens judiciais obriguem os provedores a disponibilizar o conteúdo de comunicações privadas. A outra ação discute se decisões judiciais podem interromper serviços de mensagens do aplicativo WhatsApp.