Rosto de indígena que viveu há 2 mil anos em Pernambuco é reconstituído

·1 minuto de leitura

Pesquisadores reconstituíram pela primeira vez o rosto de uma indígena que viveu há 2 mil anos no Brasil, a partir do crânio encontrado no Agreste de Pernambuco.

A mulher pertenceu a um grupo nômade e tinha idade entre 15 e 18 anos, de acordo com os cientistas.

Considerada parente mais antiga dos pernambucanos, a índia viveu no município de Brejo da Madre de Deus. A face foi reconstituída pelo designer Cícero Moraes, que mora em Sinop (MT).

“O processo de reconstrução facial forense inicia a partir do momento que o especialista faz um levantamento a partir do crânio, do sexo, da faixa etária e da ancestralidade do indivíduo a ser reconstruído”, explicou em entrevista à Globo.

“Posteriormente, neste caso, foi feita uma série de fotografias no crânio. Essas fotos foram enviadas para um algoritmo computacional que converteu a sequência em um objeto 3D compatível com o crânio”, afirmou o especialista.

A partir do crânio, foi possível definir, com o auxílio de programas de computador, a espessura da pele e a posição dos músculos e das orelhas, além de projeções do nariz e dos lábios. Pelo processo de escultura digital, o rosto ganhou acabamento.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos