RS: Operação prende 19 suspeitos por 'golpes do nudes' realizado em aplicativo

Polícia cumpriu mais de 20 mandados em ação contra golpe dos nudes e do transporte por aplicativo — Foto: Polícia Civil/Divulgação
Polícia cumpriu mais de 20 mandados em ação contra golpe dos nudes e do transporte por aplicativo — Foto: Polícia Civil/Divulgação

Uma operação da Polícia Civil prendeu nesta sexta-feira (2) 19 pessoas suspeitas de aplicarem golpes, do transporte por aplicativo e dos nudes, em oito cidades do Rio Grande do Sul.

No total, foram cumpridos 26 mandados de busca e apreensão, sendo que 23 deles estão relacionados a golpes dos nudes. As ações acontecem em Porto Alegre, Cachoeirinha, Gravataí, Guaíba, Viamão, Santa Cruz Do Sul, Novo Cabrais e Cruz Alta.

Sandro Meinerz, delegado do caso, informou que dos detidos, três foram presas por um golpe conhecido como "golpe do transporte por aplicativo" e 14 pelo "golpe dos nudes".

"Houve um caso em que uma vítima do golpe dos nudes foi lesada em mais de R$ 150 mil. Em outro, uma delas retirou a própria vida por conta das extorsões", conta o delegado.

O golpe do nudes, segundo o delegado, começa com a criação de perfis falsos em redes sociais. Os perfis, geralmente, são de mulheres jovens que aparentam ser menores de idade. Nos perfis, são postadas fotos sensuais – tiradas de páginas de terceiros.

Convites de amizade são enviados em seguida por esses perfis, para homens, normalmente mais velhos e que aparentam ter grande poder aquisitivo.

Os estelionatários e as vítimas começam a trocar mensagens e, quando as vítimas recebem fotos dos golpistas, elas começam a ser extorquidas por pessoas que se identificam como parentes da mulher ou policiais dizendo que ela é menor de idade e que, por isso, vai denunciá-las caso não pague os valores exigidos.

O outro golpe, o do transporte por aplicativo, o delegado Meinerz conta que os criminosos criam perfis em redes sociais em nome de terceiros, geralmente usando fotos antigas de perfis reais.

Também na internet com os perfis falsos, os golpistas começam a fazer negociações com diversas pessoas que ofertam produtos em plataformas de compra e venda de produtos na internet.

No golpe, os perfis falsos entram em contato com alguém que oferta os produtos, manifestando interesse na compra. Fechada a negociação, os golpistas enviam um suposto motorista de transporte por aplicativo até a casa do vendedor e simula a realização de uma transferência bancária, inclusive enviando comprovante falso para a vítima. Ela, acreditando ter recebido o valor, entrega o produto para o estelionatário, que, na verdade, é comparsa dos outros criminosos.