Rui Costa diz que taxa de juros inviabiliza PPPs e concessões

O ministro-chefe da Casa Civil, Rui Costa, afirmou nesta sexta-feira que o Brasil está "ansioso" e na "expectativa" de ver as taxas de juros no país reduzidas. Rui defendeu que com o patamar atual não é possível colocar de pé projetos de PPP (parceria público e privada) e concessões para investimentos em infraestrutura, como quer o governo.

— Com taxa de 13,75 não é fácil colocar PPP e concessão. O Brasil que precisa de emprego, que precisa trabalhar, que precisa produzir na indústria, que precisa vender no comércio, está ansioso, na expectativa de ver a taxa de juros reduzido para viabilizar e colocar de pé projetos. Difícil uma taxa interna de retorno que consiga ficar de pé com quase 14% de juros.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva reuniu 13 ministros para tratar sobre os investimentos do governo em infraestrutura. O objetivo do encontro é que os ministros apresentem as propostas para a área e o que pode ser feito e inaugurado de imediato, além dos novos eixos para o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

A previsão do governo é que o novo PAC, que será rebatizado, seja lançado no final de abril e tenha PPPs, concessões e investimentos diretos. O valor, no entanto, não foi anunciado.

— Um dos pilares do novo plano de investimento, além das concessões, teremos projetos de PPPs com a participação do governo federal, seja PPP direta com o governo federal, como uma estrada federal, enfim, mas também com estados e municípios — afirmou, completando: — Vamos usar as PPPs para alavancar investimentos de infraestrutura. Seja com PPP direta do governo federal, mas também em parceria com Estados e municípios. O governo federal nunca utilizou essa ferramenta, mas agora já está muito consolidada no Brasil

Nesta sexta-feira, o governo lançará também uma plataforma online para ajudar no mapeamento e identificação das prioridades na retomada das obras. A ideia é que a ferramenta permita que as prefeituras possam atualizar em um banco de dados os empreendimentos que estão paralisados ou inacabados em suas regiões e que são considerados prioritários para ter as obras retomadas na avaliação dos gestores locais.

-- Vamos pedir gestores públicos, municipais e estaduais que entrem na plataforma e atualizem as informações de eventuais obras com recursos federais com fotos, relatórios, situação jurídica, em que estágio está, se a empresa que tem o contrato vai ter interesse em retomar e a atualização do orçamento.