Russos formam longas filas para conseguir último lanche no McDonald’s

·2 min de leitura
McDonald's na Rússia
Rede de fast food conta com 850 restaurantes na Rússia e mais de 62 mil funcionários

(Getty Images)

  • Russos formam longas filas para 'se despedirem' de McDonald's;

  • Empresa anunciou a saída do país no começo de março em protesto à guerra na Ucrânia;

  • Esta segunda-feira (14) deve marcar o último dia de funcionamento de várias lojas da rede.

Após anunciar que se retiraria da Rússia em protesto contra a guerra na Ucrânia, o McDonald’s enfrentou longas filas neste domingo (13) por russos que se aglomeraram em busca de um último lanche da franquia.

Em Moscou, tanto os restaurantes quanto os drive-thrus registraram um grande contingente de pessoas. Segundo a agência de notícias russa RIA Novosti, hoje (14) deve ser o último dia de funcionamento de várias lojas da rede norte-americana no país.

No Twitter, um internauta publicou um vídeo mostrando o congestionamento no McDonald’s e escreveu: “Neste momento, as pessoas começaram a perceber que os padrões de vida anteriores se foram. São pessoas na fila do McDonald’s para obter um último toque de fast food antes que essa rede pare suas operações na Rússia”.

À France Presse, o jovem Stepan Grountov, de 17 anos, disse que o fechamento de seu restaurante favorito “é uma tragédia”. "É muito triste, mas qual é a relação entre o McDonald's (e o conflito na Ucrânia)?", pergunta.

Em seguida, acrescenta: “Mas a verdadeira tragédia é o que está acontecendo atualmente na Ucrânia, onde dois povos irmãos se enfrentam”. Ele admite sonhar com o dia em que "os foguetes parem de chover sobre as cidades" e "se encontre um compromisso".

Quem também se mostrou chateada com a decisão da empresa foi Aliona, de 23 anos, que preferiu não divulgar seu sobrenome. "O Ocidente sempre marcou a diferença entre o governo e o povo", apontou à agência de notícias. "Mas aqui estão punindo justamente aqueles 20% da população, aquela famosa classe média tradicionalmente considerada pró-Ocidente".

A rede de fast food conta com 850 restaurantes na Rússia e mais de 62 mil funcionários. De acordo com a France Presse, todos continuarão a ser pagos.

Outras diversas empresas como Starbucks, Coca-Cola, Ford, Shell, Amazon, Spotify, Gucci, Apple, Meta (ex-Facebook), etc, também anunciaram a suspensão de seus serviços no país.