Ryan Gosling conta que só aceitou papel em 'Barbie' após ver boneco Ken das filhas na lama

O ator Ryan Gosling contou, em entrevista a Jimmy Fallon no programa "The tonight show", que só aceitou integrar o elenco do filme "Barbie", no papel de Ken, depois de ver o boneco das filhas de cara para o chão, na lama, no quintal de casa. Estrela de longas como "La la land" (2016) e "Drive" (2011), o artista de 41 anos elogiou a premissa da história inédita dirigida por Greta Gerwig, com previsão de estreia nos cinemas para julho de 2023.

Apelo sexual: Ainda tem amor, mas termos como 'sentar, 'tomar' e 'travar' dominam letras dos hits brasileiros

Criminoso reagiu à série: Glória Perez se manifesta sobre 'versões fantasiosas' de assassinos de Daniella Perez

"“Foi o melhor roteiro que já li. Aí chego no quintal e você sabe onde encontrei o Ken das minhas filhas? O boneco estava de bruços na lama, ao lado de um limão esmagado”, relembrou Gosling. O galã de Hollywood fotografou a cena que encontrou e logo mandou uma mensagem para a diretora, com o sinal positivo para o convite: "Eu serei seu Ken porque essa história precisa ser contada", ele escreveu para Gerwig, à época.

Pai de Esmeralda, de 7 anos, e e Amada, de 6 — frutos de seu relacionamento com a também atriz Eva Mendes, com quem está casado desde 2011 —, Ryan Gosling diz que sempre teve a energia do Ken dentro dele. "Ninguém brinca com Ken. Ele é um acessório, e nem mesmo um dos mais legais. Esses não são os detalhes da trama. São apenas fatos objetivos sobre Ken. Essa é a vida de Ken", afirmou o ator.

'Thor: Amor e trovão': Taika Waititi faz de filme uma comédia romântica rock 'n' roll sobre crise de meia-idade

Protagonista e também produtora de "Barbie", a louríssima Margot Robbie já avisou que o público pode esperar um filme completamente "fora da caixa". A ideia é quebrar padrões a partir de um antigo... padrão. "O que quer que estejam pensando, vamos dar a vocês algo totalmente diferente", disse ela à mídia americana.

— Vejo neste filme uma tentativa de mudança para permanecer — diz a pesquisadora Fernanda Roveri, autora do livro "Barbie na educação de meninas: Do rosa ao choque" (Ed. Annablume). —Nos outros filmes de animação (feitos desde 2001) e no merchandising, a Barbie extrapola o lugar de brinquedo, pode estar em qualquer lugar, e vira um ícone que perdura no tempo. E para perdurar, ela precisa ser reinventada.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos