São Paulo anuncia chegada do maior lote de doses da CoronaVac

Dimitrius Dantas
·2 minuto de leitura
Antonio Molina/Zimel Press / Agência O Globo

SÃO PAULO — O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta segunda-feira que mais 5,5 milhões de doses da vacina CoronaVac chegarão ao Brasil nesta quinta-feira, totalizando mais de 8 milhões de doses em território nacional.

O carregamento, que será o maior até o momento, ocorrerá um dia após a previsão do envio de documentos que comprovem a eficácia da vacina para a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A expectativa, como revelou o colunista Lauro Jardim, é de que a vacina seja aprovada pela agência antes do início da vacinação no estado, previsto para o dia 25 de janeiro.

— Com a chegada desse novo lote de vacinas, o Instituto Butantan já terá 8 milhões e 800 mil doses. Mas temos masi dois carregamentos que chegarão em São Paulo ainda esse ano: 400 mil doses no próximo dia 28 de dezembro e 1,6 milhão de doses no dia 30 de dezembro — afirmou o governador.

Segundo o secretário de Saúde, houve um aumento de 3% no número de casos e de 6% no número de óbitos, com uma redução de 1% no número de internações.

—Estamos reforçando os leitos de UTI, nas unidades de enfermaria em todo o estado. Estamos nos esforçando muito, mas precisamos do apoio de toda a população nos apelos de colaborar nas regras sanitárias. As aglomerações em praias, festividades são cenários de risco para a maior circulação. Falta pouco, muito pouco. Vamos aguardar que em breve teremos vacina. Enquanto isso, precisamos de cada um de vocês — afirmou o secretário de Saúde, Jean Gorinchteyn.

Além da chegada das vacinas, o governador também anunciou o processo de compra de 100 milhões de seringas e agulhas. Doria destacou que elas se juntarão ao atual estoque de agulhas e seringas da Secretaria de Saúde.

Na última quinta-feira, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou que todas as vacinas, sem exceção, serão incorporadas ao Programa Nacional de Imunização. Entretanto, apesar da divulgação do plano, a maioria dos governadores mantiveram projetos de promover campanhas próprias de vacinação contra o o novo coronavírus em seus estados.