São Paulo detalha plano de segurança com 25 mil policiais para garantir a vacinação contra a Covid-19 no estado

Extra
·2 minuto de leitura

Enquanto segue a polêmica sobre o início da vacinação contra a Covid-19 no país e o Ministério da Saúde reafirma que todos os estados começarão na mesma data, São Paulo mantém a previsão de imunizar sua população a partir do próximo dia 25. Nesta segunda-feira (11), o governo do estado detalhou o planejamento para a distribuição da CoronaVac aos municípios, o que será feito sob escolta — 25 mil policiais atuarão na função.

Segundo o site do governo de São Paulo, “a Força Tática e a ROCAM (Ronda Ostensiva Com Apoio de Motocicletas) da PM acompanharão o primeiro deslocamento das vacinas do Butantan ao Centro de Logística, onde também haverá guarda montada. Todas as rotas serão escoltadas pela Polícia de Choque. Os centros regionais de armazenamento terão policiamento para apoio dos Comandos Regionais, que também farão articulações com as Guardas Municipais para segurança nos postos de vacinação”. Ainda de acordo com o govenro, “o plano logístico prevê saídas semanais de grades com 2 milhões de doses, com caminhões refrigerados e equipados para monitoramento de temperatura, rastreabilidade por radiofrequência, equipe de apoio, além de uma auditoria independente sobre todo volume de carga movimentada. Em média, 70 rotas deverão ser percorridas semanalmente”.

Durante a apresentação do plano de logística para a vacinação contra a Covid-19, o governador João Doria (PSDB) também cobrou do Ministério da Saúde a apresentação de mais detalhes sobre o Programa Nacional de Imunização (PNI). Segundo ele, o governo ainda não explicou minúcias sobre a proporcionalidade da vacinação em território nacional. Ou seja, quantas doses irão para cada estado.

— Se levar em conta a população, densidade demográfica, está correto. Se levar em conta também o grau de incidência do número de infectados e mortes, correto também. Se levar em conta outros aspectos e não a essencialidade desses, incorreto — afirmou Doria. — Por isso São Paulo mantém (a data de início de) seu programa de imunização. Qual a data prevista para o Programa Nacional de Imunização? Ninguém é capaz de dizer, porque não há. O governo federal não admite que não tem a data para o inicio do Programa Nacional de Imunização.

O governo paulista tem atualmente 10,8 milhões de doses já prontas para serem entregues. Hoje, o Butantan consegue produzir diariamente 1 milhão de doses da CoronaVac, mas pode dobrar a produção a partir de maio, quando termina de fazer a vacina contra a Influenza.

A CoronaVac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac, teve o pedido de uso emergencial feito à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) pelo Instituto Butantan na última sexta-feira (8). O órgão regulador tem até 10 dias para dar a respostas, mas, se forem solicitadas informações adicionais, esse prazo pode ser alongado.