São Paulo endurece restrições para Natal e Ano Novo devido a repique da pandemia

·1 minuto de leitura
A vacina desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac e o instituto Butantan

O estado de São Paulo, com o maior número de mortes causadas pelo novo coronavírus no Brasil, endureceu as restrições para o Natal e o Ano Novo diante do repique da pandemia, informaram fontes oficiais nesta terça-feira.

"Com caráter imediato e temporário, haverá retorno à fase vermelha do Plano São Paulo entre os dias 25 e 27 de dezembro e 1 e 3 de janeiro em todo o estado", informou o governo em um comunicado.

Devido ao aumento de internações e óbitos por covid-19 nas últimas semanas, nesses períodos apenas serão permitidas "atividades essenciais" como farmácias, mercados, postos de gasolina ou serviços de hotelaria, acrescenta o texto.

“Precisamos do apoio dos municípios. Apoio dos Prefeitos, Secretários de Saúde, assim como da própria população, até as vacinas chegarem. Está bem perto", declarou o Secretário de Estado de Saúde, Jean Gorinchteyn, citado no comunicado.

“O uso de máscaras, além do distanciamento entre as pessoas e evitar aglomerações é imperioso”, acrescentou.

Fora desses dias, o estado continuará na fase amarela, que permite uma atividade econômica mas com regras "rígidas" de funcionamento, como redução de horários e capacidade de atendimento de bares, restaurantes, academias, salões de cabeleireiro, escritórios e comércio em geral.

São Paulo, com 46,2 milhões de habitantes, registrou 1,39 milhão de infecções e 45.136 mortes desde o início da pandemia. Esse número representa 24% das 188.259 mortes no Brasil, o segundo país com mais vítimas fatais do covid-19, depois dos Estados Unidos.

Atualmente as unidades de terapia intensiva têm ocupação média de 61,9% no estado e 67% na região metropolitana, segundo o governo.

raa/js/am