São Paulo investiga sete casos suspeitos de hepatite misteriosa em três cidades

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo investiga sete casos suspeitos da hepatite misteriosa que atinge especialmente crianças. Os casos foram identificados em São José dos Campos, Fernandópolis e na capital.

De acordo com a secretaria, até a última sexta (7), 2 dos 7 pacientes estavam internados. O órgão estadual diz que aguarda conclusão dos exames diagnósticos para confirmar a relação com a doença.

Somados os casos suspeitos de São Paulo, o número de ocorrências sob investigação no país sobe para 16. Os demais divulgados até agora estão no Rio de Janeiro (6) e no Paraná (2). A hepatite é uma doença de notificação compulsória no Brasil -estados e municípios devem informar as ocorrências e as suspeitas para o Ministério da Saúde.

Pelo menos 300 casos já foram confirmados em pelo menos 25 países, a maior parte deles integrantes da União Europeia, segundo o boletim mais recente do ECDC (Centro Europeu de Prevenção e Controle das Doenças).

A hepatite é uma inflamação do fígado que pode ser causada por infecções virais e até o consumo excessivo de álcool, assim como alguns medicamentos e substâncias tóxicas. Existem cinco vírus conhecidos que causam a hepatite: A, B, C, D e E. Além destes cinco, há a hepatite autoimune, em que o próprio sistema imunológico do corpo ataca o fígado.

A ocorrência em crianças saudáveis é considerada incomum pelas agências de saúde e especialistas. Isso porque nenhum dos vírus causadores da doença foram detectados nos pacientes.

Lista **** Até o momento, três crianças morreram vítimas da doença na Indonésia. Os EUA investigam cinco mortes suspeitas e uma morte está sob investigação na Palestina.

Apenas 10% dos casos confirmados até o momento no mundo evoluíram para a inflamação do fígado, provocando a necessidade do transplante do órgão. As crianças que precisaram passar pelo procedimento se recuperaram bem, segundo informações da OMS (Organização Mundial da Saúde).

Possível causa De acordo com a Agência de Segurança da Saúde do Reino Unido (UKHSA), a associação dessa hepatite com o adenovírus continua a ser a principal suspeita para a causa da doença. "O adenovírus é o vírus mais frequentemente detectado nas amostras testadas", diz boletim da agência britânica emitido em 6 de maio.

A investigação busca entender se a doença poderia estar sendo causada por uma mudança no genoma do adenovírus. Outros vírus também são investigados, incluindo o Sars-CoV-2. As autoridades também avaliam se a menor exposição de crianças a vírus causada pelo isolamento durante a pandemia pode ter aumentado sua suscetibilidade.

O adenovírus 41, um dos tipos investigados, causa resfriados, problemas respiratórios, conjuntivite e até problemas digestivos em crianças. A maior parte das pessoas é infectada antes dos cinco anos, justamente o intervalo de idade com maior incidência da hepatite aguda misteriosa no Reino Unido, país mais afetado até o momento.

Dos 163 casos registrados até a data no país, 126 foram testados para infecção por adenovírus e a sua presença foi confirmada em 72% dos pacientes. Já o Sars-CoV-2 foi detectado em 24 dos 132 casos testados, cerca de 18%, e por essa razão ainda não é possível descartar, segundo o documento, uma possível relação entre o vírus causador da Covid e a hepatite misteriosa.

Não há evidências de que os casos de hepatite aguda sem origem conhecida tenham qualquer relação com as vacinas contra Covid-19.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos