São Paulo muda critério e confirma abertura de escolas em fevereiro de 2021

Ana Leticia Leão e Dimitrius Dantas
·1 minuto de leitura
Edilson Dantas/Agência O GLOBO

SÃO PAULO — O governador João Doria anunciou nesta quinta-feira que as escolas estaduais irão reabrir para o ano letivo de 2021, independentemente do faseamento do plano de flexibilização da quarentena no estado. Até então, a reabertura das escolas estava prevista apenas se o estado estivesse na fase amarela.

O estado tem observado nas últimas semanas um aumento de internações, casos e óbitos relacionados à Covid-19.

— O retorno ocorrerá de forma regionalizada, conforme critérios de segurança estabelecidos pelo centro de contingência. a decisão para manter escolas abertas é embasada em experiências nacionais e internacionais, que tem objetivo de garantir a segurança dos alunos, professores e funcionários das redes públicas e privadas de ensino. Tem também por objetivo o desenvolvimento cognitivo e socioemocional dos estudantes — afirmou o governador João Doria (PSDB).

Também na quarta-feira, a prefeitura de São Paulo anunciou que as aulas presenciais da rede municipal de ensino estão programadas para serem retomadas em 4 de fevereiro, data agendada para início do ano letivo. De acordo com o secretário Municipal de Educação, Bruno Caetano, o calendário já está programado, mas ainda depende da autorização da vigilância sanitária.

Nesta quarta-feira, o governo federal apresentou o Plano Nacional de Vacinação que, entre outras vacinas, também incluiu a CoronaVac, que está sendo produzida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac.

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que todas as vacinas, "sem exceção", serão incorporadas ao Programa Nacional de Imunização (PNI). Logo após o anúncio, o Instituto Butantan - que produz a CoronaVac em parceria com o laboratório Chinês Sinovac - afirmou que já encaminhou uma proposta para fornecimento das doses ao Ministério da Saúde a partir de janeiro de 2021.