São Paulo planeja ter 100 milhões de seringas para vacinação; 71 milhões já estão compradas

Henrique Gomes Batista
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO. Enquanto o governo federal conseguiu comprar apenas 2,4% das seringas que planejava para a vacinação contra a Covid-19, o governo de São Paulo afirmam que já tem 71 milhões de unidades adquiridas e espera, no começo do ano, concluir a compra de 100 milhões de seringas. Como as vacinas contra o novo coronavírus exigem duas doses de aplicação, este volume seria mais que sufienciete para imunizar toda a população do estado, mestimada em 46 milhões de pessoas.

"Os insumos serão entregues no decorrer do primeiro semestre do próximo ano. Em 2021, a pasta dará continuidade aos trâmites de aquisição para totalizar os 100 milhões de insumos", afirmou o Secretaria de estado da Saúde, em nota.

Leia mais:

A secretaria informou que todas as compras ocorreram de fabricantes nacionais. O órgão dividiu as compras em 27 pregões, realizados entre 18 e 23 de dezembro. Foram adquiridas seringas de 1 e de 3 ml e três tipos de agulhas. "A estratégia fracionada teve o objetivo de garantir estoques para aplicação de vacinas na população, de acordo com o cronograma e públicos prioritários previstos pelo Plano Estadual de Imunização (PEI) de São Paulo", informou a secretaria.

O Governo de São Paulo informou ainda que já havia adquirido em outra compra, no segundo semestre, 21 milhões de seringas e agulhas para as vacinações de rotina do ano. A pasta afirma que começará a vacinar contra a Covid-19 no dia 25 de janeiro. Porém, a CoronaVac, desenvolvida em parceria entre a chinesa Sinovac e o Instituto Butantan, ainda sequer apresentou seu estudo de eficácia, o que deve ocorrer no dia 7 de janeiro. A Anvisa, então, terá de aprovar o imunizante.

“Estamos preparados para a vacinação contra Covid-19 com todo o planejamento logístico e de insumos. O nosso programa de imunização tem expertise de mais de cinco décadas, prezando sempre para a proteção e segurança da população, destacou Jean Gorinchteyn, Secretário de Estado da Saúde, em nota.