São Paulo registra a nona morte por febre amarela no estado

Marli Moreira - Repórter da Agência Brasil

A Secretaria Estadual da Saúde informou hoje (8) que subiu para nove o total de vítimas de febre amarela em São Paulo, com a confirmação do caso de um homem que residia na cidade de São Paulo e teria contraído a doença ao visitar uma chácara em Monte Alegre do Sul, na região de Campinas.

Dos nove casos registrados até agora no estado de São Paulo, quatro são de febre amarela silvestre autóctone nos municípios de Américo Brasiliense, Araraquara, Batatais e São Paulo. Neste último, o local provável de infecção é Monte Alegre do Sul. As outras cinco mortes confirmadas referem-se a vítimas que foram infectadas em passagens por Minas Gerais, sendo três destas na capital paulista e as demais em Santana do Parnaíba e Paulínia.

Há ainda 25 pessoas com suspeita da doença em tratamento, das quais 17 podem ter contraído a febre amarela silvestre onde vivem, no interior do estado, em cidades da Grande São Paulo e no litoral. As restantes relataram terem se deslocado para Minas Gerais.

A secretaria ressalta que a vacina contra a febre amarela é indicada apenas aos moradores de áreas de risco definidas pelo Ministério da Saúde e para aqueles que vão viajar a esses locais. A imunização é contraindicada para gestantes, mulheres amamentando crianças com até 6 meses e imunodeprimidos, como pacientes em tratamento quimioterápico, radioterápico ou com corticoides em doses elevadas (portadores de lúpus, por exemplo). Não há casos de febre amarela urbana no Brasil desde 1942.