Quem são as vítimas do atentado de Londres

1 / 2
Paramédicos removem uma vítima da Ponte de Westminster

O londrino de 75 anos Leslie Rhodes não sobreviveu aos ferimentos e se tornou a quarta vítima fatal do atentado de quarta-feira nas imediações do Parlamento britânico.

Rhodes entra para a lista que inclui a britânica de origem espanhola Aysha Frade, de 43 anos, mãe de duas filhas pequenas, o turista americano Kurt Cochran, de 54 anos, e o policial Keith Palmer, de 48 anos.

Palmer foi esfaqueado até a morte, enquanto as outras três vítimas fatais e os 50 feridos foram atropelados pelo agressor, Khalid Masood.

- Os mortos

Foram quatro, além do atacante:

-Leslie Rhodes, britânico, 75 anos:

Era morador do bairro de Streatham, no sul de Londres, e segundo o jornal Daily Telegraph, era um limpador de janelas aposentado que amava o críquete. Estava na zona para uma visita a um hospital, segundo o mesmo veículo.

Morreu cerca de 24 horas depois do atentado em razão dos graves ferimentos, informou a Polícia.

- Aysha Frade, britânica de origem espanhola de 43 anos:

Ia buscar suas filhas pequenas na escola quando foi atropelada pelo homem, segundo meios de comunicação britânicos. Filha de um cipriota e uma espanhola, sempre viveu em Londres e passava os verões na Galícia, no noroeste da Espanha, onde suas irmãs moram.

Em Betanzos, a localidade galega próxima a La Coruña onde as irmãs da vítima vivem, a notícia se espalhou rapidamente, explicou à AFP Manuel Ares, de 86 anos e amigo da mãe de Frade, entrevistado pela AFP.

"Estamos muito abalados, aqui todos a conheciam". A mãe de Aysha Frade, María del Carmen Caldelas, emigrou a Londres quando era jovem, se casou e teve três filhas.

Aysha, casada com um português, viajava todos os verões a Betanzos, lembrou Ares. Suas irmãs tinham uma escola de inglês na região, onde o prefeito decretou três dias de luto.

"Estou arrasada. É uma coisa que não esperávamos", explicou Ana, prima de Aysha, à rádio espanhola Cope. "Silvia (uma das irmãs da vítima) me telefonou e disse 'aconteceu uma coisa muito ruim, mataram Aisha'", contou.

Frade "era muito querida e respeitada", "estamos profundamente tristes e abalados com a notícia", disse Rachel Borland, diretora do DLD College, a escola onde a vítima trabalhava.

- Policial Keith Palmer, 48 anos:

Casado e pai. Trabalhava para a Unidade de Proteção Diplomática da polícia, protegia um dos portões de acesso ao Parlamento e foi esfaqueado pelo agressor.

Segundo parentes citados pela imprensa britânica, havia servido no exército, em um regimento de artilharia, antes de passar para a polícia.

A equipe de futebol pela qual torcia, o Charlton Athletic, prestou uma homenagem a ele colocando um lenço do clube no local que ele ocupou durante anos.

- Kurt Cochran, turista americano, pai:

Tinha cerca de 50 anos, era do estado de Utah (oeste) e visitava Londres com sua esposa, que ficou ferida. Uma parente dele, Shantell Payne, prestou uma homenagem no Facebook com uma foto e uma mensagem.

"Com grande pesar, tenho que anunciar a triste notícia de que nosso querido irmão, pai, marido e filho Kurt Cochran não pôde se recuperar dos ferimentos sofridos no atentado de Londres".

"A dor é tão grande e tão forte que atingiu profundamente a nossa família e todos que o conheceram. Sentiremos falta de Kurt mais do que podemos expressar".

- Os feridos

Entre os feridos, há pessoas de doze nacionalidades, explicou nesta sexta-feira Mark Rowley, comandante da unidade de combate ao terrorismo da Scotland Yard.

"Duas pessoas seguem em estado crítico e outra está entre a vida e a morte", afirmou Rowley.

Entre os feridos há três adolescentes franceses, dois romenos, quatro sul-coreanos, um alemão, um polonês, um irlandês, um chinês, um italiano, um americano e dois gregos.