Série Mate 30 virá com bootloader para instalar apps da Google, diz Huawei

Rafael Arbulu

A Huawei revelou ontem (19) sua nova série de smartphones top de linha — Mate 30 e Mate 30 Pro —, confirmando que estes são os primeiros aparelhos da empresa que não contam com os aplicativos da Google pré-instalados desde a fábrica. Devido a uma relação comercial estremecida com a empresa de Mountain View, a gigante chinesa não pode contar com o suporte da Google para esses novos aparelhos.

Entretanto, fãs dos aparelhos da série não precisam ficar muito preocupados com isso pois, segundo a empresa, tanto o Mate 30 como o Mate 30 Pro virão com um bootloader destravado para facilitar a instalação de aplicações externas ao marketplace da Google. Em tese, isso significa que um usuário pode instalar, manualmente, softwares como o Maps, YouTube, Gmail, Assistente e diversos outros produzidos pela companhia californiana.

A informação foi confirmada em entrevista de Richard Yu, CEO da Huawei Technologies, a diversos canais de imprensa estrangeiros. O executivo não mencionou o “estresse” com a Google como o motivo direto da inserção do bootloader destravável, preferindo um tom diplomático e referenciando a medida como “maior liberdade para os usuários”:

O Huawei Mate 30 Pro foi um dos smartphones da fabricante chinesa revelados ontem: o modelo é o primeiro a não contar com o suporte da Google para o Android

“[Nas séries anteriores] Nós limitamos o bootloader porque queríamos garantir uma maior segurança para os consumidores. Mas desta vez, nós vamos permitir uma maior liberdade aos usuários para que eles possam fazer mais customizações por conta própria. Então estamos planejando permitir que consumidores façam isso”.

Claro, a situação ainda não é a ideal, haja vista que a ausência de suporte da Google não se limita a remover alguns apps: além de não haver acesso facilitado à Play Store, tal suporte também faz com que atualizações e patches de segurança no sistema operacional Android sejam disponibilizados rapidamente, fechando potenciais problemas de proteção do aparelho.

No caso da Huawei, porém, essa política é descartada, o que faz com que a chinesa tenha que desenvolver as soluções de proteção por conta própria. Com a Google, as atualizações de segurança tinham uma frequência relativamente veloz, com algumas fabricantes oferecendo uma periodicidade mensal. Nas mãos da Huawei, é impossível determinarmos uma frequência de correções.

Não que isso impeça a Huawei de almejar grandes conquistas para o Mate 30 e o Mate 30 Pro: a empresa disse ao Android Authority que espera vender cerca de 20 milhões de unidades (sem esclarecer se referia-se a cada modelo ou à soma de ambos) apenas com o poderio do consumo chinês. Vale citar: a série P30 da empresa chegou a aproximadamente 30 milhões há pouco tempo, porém ela ainda conta com o suporte da Google e uma distribuição de varejo global.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: