Sérvia retira barricadas do Kosovo

Após intensa pressão internacional, a Sérvia decidiu colocar água na fervura das tensões com o Kosovo. O presidente sérvio, Aleksandar Vucic, garantiu que, a partir desta quinta-feira, as barricadas colocadas por manifestantes do país no norte do Kosovo vão começar a ser removidas.

O uso de força armada na fronteira com o país vizinho chegou a ser considerado por Belgrado, mas, depois de quase três semanas de bloqueios nas estradas, os líderes dos dois Estados chegaram a um compromisso.

Vucic alertou, no entanto, para a morosidade do processo que "não é simples e não pode ser feito em duas horas, como alguns imaginavam".

"Dentro de 24 a 48 horas, as barricadas serão removidas. Mas a desconfiança não. Os que estão a brincar com a própria existência de sérvios no Kosovo devem saber que, tal como não o permitimos agora, também não o vamos permitir no futuro", advertiu o chefe de Estado sérvio.

A tensão entre a Sérvia e o Kosovo reacendeu nos últimos meses, depois de o governo kosovar ter proibido a circulaçãode matrículas sérvias no país.

Os bloqueios das estradas começaram a surgir depois de a 10 de dezembro, Dejan Pantic, um ex-polícia sérvio do Kosovo, ter sido detido e acusado de terrorismo na sequência de uma agressão a um agente da autoridade.

De acordo com o advogado de Pantic, Ljubomir Pantovic, esta quarta-feira, o seu cliente foi colocado em prisão domiciliária.

Contudo, Pantovic explicou que cumprir a ordem pode ser problemático, já que os oficiais de Kosovo precisariam atravessar as barricadas sérvias, durante o transporte de Pantic.

O primeiro-ministro do Kosovo, Albin Kurti, criticou a decisão do tribunal de libertar Pantic para prisão domiciliar.

"Estou curioso para saber quem é o procurador que faz um pedido e quem é o juiz que aprova a decisão de colocar alguém em prisão domiciliar quando há uma acusação de terrorismo", disse Kurti.

A prisão de Pantic desencadeou semanas de impasses tensos, com tiros e explosões perto de patrulhas e de jornalistas que se encontravam na zona das forças de manutenção da paz lideradas pela NATO.

A transferência do ex-polícia para prisão domiciliária pode, no entanto, não ser suficiente para diminuir a tensão na região, já que os sérvios do Kosovo e Belgrado fizeram várias outras exigências, incluindo a libertação de dois outros sérvios, bem como a proibição de a polícia do Kosovo entrar nas áreas povoadas por sérvios no norte de Kosovo.