Sétima empresa é fechada em operação para identificar despejo de esgoto sem tratamento no Guandu

RIO - Uma fábrica foi fechada no terceiro dia operação no Distrito Industrial de Queimados para identificar e coibir o lançamento de dejetos sem tratamento no Rio Guandu. Nesta ação, realizada por equipes da Secretaria do Ambiente e Sustentabilidade (Seas) e do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), foi fechada a sétima empresa desde o início das fiscalizações, na última quinta-feira. A interdição foi uma medida cautelar.

Durante a visita à Indústria Brasileira de Colchões e Espumas de Poliuretano, os agentes encontraram 400 mil litros de produtos químicos, empregados na produção de espuma para colchões, sem armazenamento adequado. Também foram localizadas canaletas ligadas à rede pluvial, o que poderia acarretar o lançamento de "produto perigoso aos corpos hídricos", sendo técnicos. Procurada, a empresa não retornou contato.

A Arfrio S.A. Armazéns Gerais Frigoríficos também recebeu a operação e estava em conformidade.

No primeiro dia da ação, duas empresas tiveram o funcionamento interrompido após serem fiscalizadas. Os órgãos afirmam que continuaram com as operações no Distrito Industrial de Queimados.