Síndrome sensorial: entenda condição que afeta filho de Giovanna Ewbank e Bruno Gagliasso

Giovanna Ewbank, apresentadora do podcast "Quem Pode, Pod" revelou no episódio da última terça-feira que seu filho Bless, de 8 anos, foi diagnosticado com uma síndrome sensorial, que acomete seus sentidos básicos, como audição, olfato e tato. Ao lado de Fernanda Paes Leme, a apresentadora contou ao entrevistado Manoel Soares que se sentiu culpada por repreendê-lo quando ele se queixava de algumas coisas, como do cheiro de cebola na cozinha ou de pisar na grama.

Deficiência de ferro: Os 13 sintomas que indicam o problema no organismo

Mais Médicos: nova cara do programa não agrada categoria

— Diversas vezes ele passava, por exemplo, pela cozinha, e falava: "Ai, que cheiro forte!". E eu falava: "Bless, para com isso. É frescura, filho! É o cheiro da cebola". Quando ele pisava na grama e falava: "Me tira daqui!". E eu falava: "Filho, para de frescura, é só grama". Queria muito colo, não gostava de ir para o meio do mato - onde a gente vai muito - porque o barulho das moscas incomodava ele — contou a atriz — Quando eu tive o diagnóstico, foi uma culpa absurda — completou.

A atriz contou que, durante a pandemia, notou o filho “muito aéreo” e achou que ele poderia ter algum grau de autismo. Ela então procurou especialistas até que uma médica em São Paulo o diagnosticou com uma síndrome sensorial.

— Ele ouve mais do que nós todos, ele sente mais tato que nós todos, sente mais cheiro que todos — detalhou.

Além de Bless, Giovanna e o marido, Bruno Gagliasso, também são pais de Titi, de 9 anos e Zyan, de 2 anos.

Sono dos adolescentes: 'As aulas não podem mais começar às 7h', defende neurocientista

Transtorno de processamento sensorial

O transtorno do processamento sensorial (TPS) é caracterizado por alterações nos aspectos sensoriais, como audição, tato, paladar, visão ou olfato, devido a uma dificuldade do cérebro em processar estímulos do ambiente. Ele aparece durante o desenvolvimento infantil, mas é mais comum ser diagnosticado quando a criança já está na escola.

O distúrbio pode afetar um sentido, como audição, tato ou paladar, ou vários. Como muitas doenças, os sintomas do transtorno do processamento sensorial existem em um espectro. As pessoas com a condição podem ser super ou sub-responsivas às coisas com os estímulos sensoriais.

De acordo com uma revisão científica feita pelas faculdades de Medicina e de Educação Física da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), o transtorno atinge entre 5% e 16% da população em geral e pode ou não estar associada a alguma patologia já diagnosticada. Embora sua existência não relacionada a uma patologia já seja documentada, o TPS ainda não é considerado um distúrbio psiquiátrico.

Sintomas

Os principais sinais da hipersensibilidade são:

Incômodo com sons comuns;

Agitação e necessidade de estar sempre em movimento;

Baixo limiar de dor;

Parecer desajeitado;

Cobrir os olhos ou ouvidos com frequência;

Resistir a abraços ou toques repentinos;

Dificuldade em controlar suas emoções;

Dificuldade em focar a atenção;

Problemas de comportamento

Dificuldade de processar e expressar sensações de frio, calor, fome, cansaço, etc;

Seletividade ou dificuldade alimentar;

Intolerância a roupas, tecidos ou texturas;

Irritação ou impulsividade, além de frustrar-se facilmente;

Sensibilidade à luz.

Por outro lado, também há crianças com sub-responsividade a estímulos. Nesse caso, os sinais incluem:

Alto limiar de dor;

Esbarrar em paredes;

Tocar coisas o tempo todo;

Colocar coisas na boca que não são de comer, como pedras;

Da "abraços de urso";

Bater em outras pessoas ou coisas;

Não ter noção do espaço pessoal.

Diagnóstico e tratamento

A condição pode estar associada com diagnósticos específicos, como a síndrome de Down e o autismo, ou aparecer sozinha. O diagnóstico do transtorno de processamento sensorial em si exige testes específicos, conduzidos por profissionais especializados, e é mais comum ocorrer quando a criança está em idade pré-escolar ou escolar.

O tratamento mais indicado é a terapia ocupacional, que faz uso da abordagem de integração sensorial para ajudar a criança a organizar as sensações. A intervenção é de médio ou longo prazo, quando está associada a outros diagnósticos, e é fundamental para o desenvolvimento saudável da criança.

Leia mais em: https://bebe.abril.com.br/desenvolvimento-infantil/voce-sabe-o-que-e-transtorno-de-processamento-sensorial-em-criancas/