Só 17% dos nordestinos torcem por time do Nordeste, aponta pesquisa O GLOBO/Ipec

Pesquisa O GLOBO/Ipec sobre o tamanho das torcidas no futebol brasileiro identificou que metade dos entrevistados na região Nordeste preferem times de outras regiões do país. Só 17,3% dos nordestinos, segundo o levantamento, torcem para times nordestinos. De acordo com a pesquisa, 50,4% dos torcedores na região citaram clubes de fora do Nordeste como primeira opção -- os entrevistados podiam declarar torcida por até dois clubes. A região Sul, por sua vez, foi a que apresentou maior equilíbrio, segundo o levantamento: enquanto pouco mais de um terço declarou prioridade para clubes locais, uma parcela similar citou torcida primeiramente para equipes de outras regiões.

Os queridos: Pesquisa inédita O GLOBO/Ipec aponta as 26 maiores torcidas do Brasil; veja lista

Pesquisa: Corinthians passa Flamengo entre mais ricos; rubro-negro lidera entre mais pobres

Os dados foram colhidos pelo Ipec através de 2 mil entrevistas presenciais em 128 municípios de todo o país, entre os dias 1º e 5 de julho. Os resultados da pesquisa estão sendo divulgados pelo GLOBO em uma série de reportagens, iniciada ontem, ao longo desta semana. No levantamento, os entrevistados responderam de forma espontânea – isto é, sem a apresentação prévia de alternativas – para qual time brasileiro torcem mais ou têm simpatia maior.

Flamengo e Corinthians, líderes na pesquisa geral, superam todos os nordestinos na região. O clube nordestino mais citado pelos torcedores do Nordeste foi o Bahia, com 5,9%. O pernambucano Sport aparece em seguida, com 3,1%.

Os dois são os únicos clubes do Nordeste que já celebraram títulos nacionais da primeira divisão. O Bahia foi o campeão do Brasileiro de 1988 e da Taça Brasil de 1959, reconhecida recentemente pela CBF como título brasileiro. O Sport foi proclamado vencedor da Copa União em 1987. Posteriormente, a CBF considerou o título daquele ano dividido com o Flamengo. O clube pernambucano também já conquistou uma Copa do Brasil, em 2008.

O Vitória, que disputa com o Bahia o clássico Ba-Vi, aparece como preferido para 2,3% da torcida nordestina. Os rivais cearenses Fortaleza e Ceará tiveram, respectivamente, 2,7% e 1,8% da preferência dos torcedores na região. O Santa Cruz foi citado por 1,6%.

Entre os torcedores do Nordeste que declaram preferência por times de outras regiões, a vasta maioria diz torcer por clubes do Rio e de São Paulo. Na região, torcedores que mostram preferência por um time local e outro de fora são comumente chamados de “mistos”, termo que tem ganhado carga pejorativa.

Nos últimos anos, clubes como Fortaleza e Ceará fizeram campanhas para tentar atrair para si torcedores de seu estado que simpatizam com equipes de fora. O Fortaleza, em jogo contra o Flamengo em 2019, exibiu um mosaico 3D na arquibancada em que o Cristo Redentor vestia a camisa do clube e um chapéu nordestino. À época, o clube também retirou do cardápio do Castelão a opção de pizza sabor "misto".

Para a jornalista e pesquisadora Hevilla Wanderley Fernandes, mestre em ciência política pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) com a dissertação "A Questão Nordestina: Estado, região e futebol", o crescimento da resistência a torcedores "mistos" é um fenômeno recente, relacionado a uma tentativa de reação ao tratamento historicamente xenófobo adotado no eixo Rio-São com relação a moradores do Nordeste.

-- O futebol é um espaço que traz à tona conflitos da sociedade. Essa é uma resistência hoje muito mais no campo discursivo, que por vezes tem gerado violência física. Mas ainda não revelou uma capacidade de organização capaz de transformar a força que os times de Rio e São Paulo têm no Nordeste e nas outras regiões, algo que vem desde o governo Getúlio Vargas, com seu esforço para centralizar o país através do futebol e também do samba - avalia a pesquisadora.

No Sudeste, de acordo com a pesquisa O GLOBO/Ipec, menos de 1% citaram primeiramente torcer por clubes de outras regiões.

A região Sul, embora seja a única sem predominância de torcidas de clubes cariocas e paulistas, tampouco mostrou predileção explícita por equipes locais. Grêmio, citado como preferido por 18,4% dos entrevistados, e Internacional, que teve a preferência de 12,5%, formam a quase totalidade dos 34,8% que apontaram equipes sulistas como primeira opção. Também pontuaram na pesquisa o Athletico-PR, com 2,6%, e o Coritiba com 1,3%. Outros 30,6%, por outro lado, citaram times de outras regiões como preferência.

Nas regiões Norte e Centro-Oeste, a preferência por clubes de outros locais chega a 68,9% dos entrevistados – mais da metade (35,6%) desse contingente disse torcer pelo Flamengo. Os times da região são os preferidos para menos de 5% dos entrevistados.

Mesmo fora da primeira divisão do futebol brasileiro desde a Copa João Havelange de 2000, o Remo foi o clube mais citado como preferido por esses torcedores, com 1,6%. O Paysandu, seu rival no Pará, e que disputou a Libertadores em 2002, foi citado por 1,2%, mesmo percentual do Goiás, que está na Série A deste ano. Nesse caso, por se tratar de um recorte regional, o Ipec afirma que a ordem entre os clubes deve ser considera apenas de forma numérica -- para afirmar estatisticamente que um clube está à frente do outro, em uma situação como esta, seria necessária uma distância de no mínimo 5%, segundo o instituto.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos