'Só lembro a voz dele. Ele falava baixinho no meu ouvido', disse mulher que registrou queixa contra anestesista

Cerca de dez mulheres foram até a Delegacia de Atendimento (Deam) de São João de Meriti, na manhã desta terça-feira, para registrar boletins de ocorrência contra o médico anestesista Giovanni Quintella Bezerra, de 31 anos, preso suspeito de abusar de uma paciente. Entre as vítimas estão três mulheres com bebês de colo. Uma delas é a técnica em radiologia Naiane Guedes de Oliveira, 30, que há um mês disse ter passado por uma cirurgia no Hospital da Mãe, em Mesquita, também na Baixada. Na segunda-feira, a Secretaria estadual de Saúde (SES) disse que o anestesista também trabalhou no local.

Material foi usado para limpar boca de grávida: Gaze usada por anestesista preso por estupro é entregue por enfermeiras à polícia

Relato: ‘Ainda desacordada, veio suja da cirurgia’, diz mãe de outra paciente sedada por médico

— Eu tive meu filho no dia 5 de junho. O que me chamou a atenção foi a anestesia geral. Eu já tive outros três filhos de cesária e nunca havia tomado anestesia geral. Eu fiquei totalmente dopada e isso me chamou a atenção. Era o Giovanni o anestesista. Quando eu vi as imagens dele, eu me desesperei — disse Naiane.

— Quando eu começo a recordar, eu só lembro a voz dele. A todo tempo ele falava baixinho no meu ouvido. Ele sempre falava próximo, e isso me incomodou bastante. Eu reclamei, após ele mandar o meu esposo sair. Eu estava lerda e senti muita dor na nuca. Ele me disse que era normal e por isso tinha que ser sedada. Eu não sei se fui abusada, mas a sedação e o fato dele estar muito próximo da minha cabeça eu achei estranho.

Flagrante gravado: 'Há um vídeo?', perguntou médico ao ser preso por estupro de paciente durante o parto

Além do trauma, Naiane também está preocupada com outras mulheres que tiveram bebê no hospital.

— A gente fica receosa, pois ele pode ter feito outras vítimas — disse.

Dados da violência: Rio tem um estupro em hospital a cada 14 dias; cidade onde anestesista foi preso é a quinta com mais casos

O agente de saúde Rafael Marque de Oliveira, 28 anos, marido de Naiane, acompanhou a esposa ao prestar depoimento. Ele disse que Giovanni o mandou sair da sala de parto após a criança nascer. Ele lembra que a esposa só foi sedada após ele deixar o local.

— Eu só pude acompanhar o parto até um certo ponto. Ele mandou eu sair, porque seria com a parte médica. Eu nunca havia saído dos partos que participei. Ele só sedou a minha esposa após eu sair. É revoltante saber que pode acontecer com a esposa da gente. Estou mais tranquilo porque ele foi preso.

'É estarrecedor e inacreditável': delegada fala sobre prisão de médico por estupro durante parto

Durante a cirurgia: Médico é preso por estupro de paciente que passava por cesárea, na Baixada Fluminense

Publicação durante plantão: 'Camarão que dorme rende mais no plantão', postou médico antes de ser preso

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos