Saída de Salles não deve mudar rumo da política ambiental de Bolsonaro

·2 minuto de leitura
**ARQUIVO** BRASÍLIA, DF, 27.11.2019 - O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, durante audiência pública na Câmara. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
**ARQUIVO** BRASÍLIA, DF, 27.11.2019 - O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, durante audiência pública na Câmara. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

MANAUS, AM (FOLHAPRESS) - Alguns ambientalistas que impulsionam há anos a hashtag #forasalles celebrarão vitória com a sua saída, mas Ricardo Salles era mero executor das ideias antiambientalistas do presidente Jair Bolsonaro. É ilusão acreditar que a sua saída sinalize alguma reorientação.

O agora ex-ministro era apenas um pouco competitivo candidato a deputado federal por São Paulo, em 2018, quando Bolsonaro prometia desmantelar a fiscalização ambiental "xiita" do Ibama e do ICMBio, congelar a criação de unidades de conservação, legalizar garimpos e governar com militares.

Escolhido pelos ruralistas, Salles só ganhou o cargo porque Bolsonaro não cumpriu a promessa de extinguir a pasta --radical até para a ala mais retrógrada do agronegócio.

No cargo, seguiu à risca a agenda bolsonarista. Na primeira vez na vida que pisou na bacia amazônica, em 2019, chancelou um plantio ilegal de soja dentro de terra indígena.

Em dois anos e meio, inviabilizou a aplicação de multas ambientais, aparelhou o comando do Ibama e do ICMBio com PMs paulistas inexperientes, recebeu criminosos ambientais no gabinete, perseguiu funcionários por cumprirem seu trabalho e instituiu a lei da mordaça no ministério.

Foram inúmeras vezes que Bolsonaro deixou claro o seu respaldo a Salles, desde os enfrentamentos com o vice-presidente Hamilton Mourão por conta do combate ao desmatamento até a exoneração do delegado Alexandre Saraiva da superintendência da PF no Amazonas, quando o ex-ministro saiu em defesa de madeireiros investigados.

O maior símbolo da gestão Salles, o aumento explosivo do desmatamento na Amazônia, não deixa de ser uma política de Bolsonaro, que já se vangloriou por tê-lo "potencializado" e não cansa de repetir que o Brasil tem áreas protegidas demais.

Bolsonaro parece ter escolhido alguém menos histriônico para o Meio Ambiente, como já aconteceu na Educação e no Itamaraty. Mas nada que provoque uma reviravolta na política ambiental. A boiada sempre foi de Bolsonaro. Salles só tocava o berrante.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos