Saúde animal: pode dar comida de gente para pet? Veterinária explica

Nem sempre uma boa intenção tem resultado positivo quando o assunto é fazer um agrado aos pets oferecendo comida própria para humanos. Um aparentemente inofensivo pedacinho de bife pode se transformar em vilão. Só para se ter uma noção, cães e gatos não conseguem metabolizar temperos como a cebola, um ingrediente muito comum no preparo de proteínas e também no refogado do feijão e do arroz. Os sintomas mais comuns de que o alimento não foi bem aceito pelo organismo dos animais são o vômito e a diarreia. Mas, em alguns casos, a intoxicação pode levar a doenças graves, como uma anemia profunda.

Saúde: Dores fortes no período menstrual pode ser endometriose

Cultura: Cacau Protásio faz sucesso com seu primeiro stand-up

Médica veterinária especializada em gastroenterologia e endoscopia, Juliane Duarte, moradora de Vila da Penha, alerta sobre os perigos de trocar a ração por um alimento inadequado para os pets.

— O grande problema de dar a nossa própria comida para os animais está relacionado aos temperos. A cebola é totalmente contraindicada, assim como pimentas e outros temperos. O quadro intenso de vômito e diarreia pode gerar uma anemia importante, que, se não for corretamente tratada, pode levar o animal a óbito. O ideal é não oferecer a nossa comida aos pets, mas, em último caso, que seja um alimento sem tempero algum, como arroz cozido apenas com água. Pedaços de carne ou frango sem tempero também podem ser dados, mas é sempre bom evitar — diz a especialista, que atende no Centro Veterinário Popular, com unidades na Tijuca e no Méier.

São as rações, diz ela, os alimentos preparados para beneficiar a saúde dos pets.

— Priorizar as rações é fundamental, mas também é preciso tomar alguns cuidados antes de comprá-las. A superpremium é a de melhor qualidade porque todos os aditivos contidos nela são próprios para garantir a saciedade com os nutrientes necessários. Nela ainda há o controle de odores das fezes. A premium tem ingredientes de qualidade, mas não supre tudo o que o animal precisa para viver dentro de um lar, como ter fezes sem cheiros fortes. Já a ração comum só serve para o animal não passar fome. O barato sai caro. Então é aconselhável que os animais, sempre que possível, se alimentem com as rações superpremium — observa Juliane.

Os cuidados vão além. Em casa, é preciso guardar a ração em um local apropriado para não afetar a qualidade do produto.

— O acondicionamento deve ser feito dentro da própria embalagem do produto. É preciso também evitar a exposição ao tempo, a sol ou a chuva. Essas ações são importantes para manter a ração em perfeitas condições de consumo — observa a médica veterinária.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos