Saúde prevê de 179 milhões a 391 milhões de vacinas contra a Covid-19 para 2022

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA — O Ministério da Saúde estima que serão necessárias de 179,6 milhões a 391,7 milhões de vacinas contra a Covid-19 para o próximo ano. A projeção, que consta em documentos enviados à CPI da Covid, varia porque a pasta considera três cenários distintos: o menor deles apenas com doses adicionais, para pessoas a partir de 12 anos, e o maior considerando o atual esquema, de duas doses por pessoa mais o reforço para pessoas de pelo menos 60 anos.

Uma opção intermediária considera atender a população de 12 a 59 anos com dose de reforço, além de uma dose semestral em pessoas a partir de 60 anos. Para suprir parte da demanda, a pasta negocia de 100 a 150 milhões de doses com a Pfizer, mostra o documento. Outras 134,1 milhões devem sobrar neste ciclo de vacinação das 207,8 milhões que foram contratadas.

Como mostrou O GLOBO, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) informou ter capacidade para oferecer até 180 milhões de doses em 2022. O ministério, por sua vez, não tem planos de continuar com a CoronaVac. As justificativas da pasta são de que o imunizante, produzido pelo Instituto Butantan, não tem aval definitivo da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e que a eficácia é menor em idosos a partir de 80 anos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos