Saúde vai comprar 2,6 milhões de doses de Coronavac para crianças após relato de estoque vazio

Covid-19: Anvisa aprova novo tratamento para a doença

Sem estoque de vacinas infantis contra a Covid-19, o Ministério da Saúde anunciou a compra de 2,6 milhões de doses da vacina Coronavac com o Instituto Butantan. Um aditivo assinado na sexta-feira vai garantir a compra de 750 mil doses. As 1,85 milhão de doses restantes serão adquiridas quando a pasta fizer um novo aditivo no contrato.

A compra foi anunciada um dia após a secretária de Vigilância em Saúde, Ethel Maciel, relatar que o estoque de vacinas infantis do ministério estava zerado e que a pasta tentava antecipar a aquisição de uma nova remessa de doses com a Pfizer.

Entrevista: 'A pandemia acabou, mas a Covid-19, não', diz presidente da Pfizer no Brasil

Covid: Mais de 80% dos profissionais da saúde relatam sofrer burnout na pandemia no Brasil

Em nota, a pasta informou que as novas doses adquiridas com o Butantan devem ser entregues e distribuídas já na próxima semana, para dar continuidade à vacinação de crianças com idade entre 3 e 11 anos. Enquanto isso, a pasta segue em negociação com outros laboratórios para a aquisição de mais doses.

A preocupação com o reforço na vacinação infantil está relacionada à nova variante detectada do coronavírus, que tem alta transmissibilidade e preocupa os centros de pesquisa e detecção, e o carnaval, evento que vai gerar aglomerações em todo país.

Os estoques da vacina em diversas cidades estão baixos e capitais como Rio de Janeiro, Salvador e Belo Horizonte suspenderam a vacinação de crianças de 6 meses a 4 anos por insuficiência de doses.

'Janeiro seco': os benefícios de interromper o consumo de álcool por um mês

Covid-19: Anvisa aprova novo tratamento para a doença

De acordo com Maciel, já havia um acordo com a Pfizer para que 3,2 milhões de doses da vacina infantil fossem entregues até o final de janeiro. A pasta quer antecipar a chegada desse lote.

Já em relação às vacinas para adultos, Maciel informou que para este público o problema é outro: o governo tem doses suficientes, mas a cobertura vacinal está baixa. A estimativa é de que há 100 milhões de brasileiros com doses atrasadas.