SAFs 'brasileiras' emplacam 14 jogadores na Copa; 777 Partners, do Vasco, lidera

A chegada das SAFs ao futebol brasileiro trouxe também co-irmãos aos clubes do país: equipes europeias como Sevilla, Crystal Palace e Valladolid dividem grupos de investimento com Vasco, Botafogo e Cruzeiro, respectivamente. Nas convocações das seleções para a Copa do Mundo do Catar, essas equipes emplacaram 14 jogadores.

O destaque fica por conta da norte-americana "777 Partners", que comanda o futebol do Vasco e do Genoa (Itália), além de deter fatia minoritária do Sevilla (Espanha). O clube espanhol, inclusive, tem o maior número de representantes nesta lista: oito, três deles na seleção argentina.

Montiel (lateral, Argentina), Marcos Acuña (lateral, Argentina), Papu Gómez (meia, Argentina), Thomas Delaney (meia, Dinamarca), Kasper Dolberg (atacante, Dinamarca), Alex Telles (lateral, Brasil), Dmitrovic (goleiro, Sérvia) e Gudelj (meia, Sérvia) atuam pelo clube de Sevilha. Genoa e Vasco, por sua vez, não tiveram convocados.

Em segundo vem a Eagle Holdings, de John Textor. O investidor norte-americano do Botafogo tem ações no Crystal Palace (Inglaterra), no Molenbeek (Bélgica) e recentemente adquiriu ações majoritárias do Lyon (França), uma operação que ainda se desenrola no mercado. Textor "emplacou" quatro jogadores.

Joachim Andersen (zagueiro, Dinamarca) e Jordan Ayew (atacante, Gana) atuam pelo Crystal Palace, enquanto Toko Ekambi (atacante, Camarões) e Nicolás Tagliafico (lateral, Argentina) são atletas do Lyon. O Botafogo não tem atletas na Copa.

Por fim, Ronaldo, dono do futebol do Cruzeiro e do Valladolid (Espanha) também tem seus representantes: Gonzalo Plata (meia, Equador) e Jawad El-Yamiq (zagueiro, Marrocos) atuam pelo clube espanhol.

Em meio a trâmites internos para vender ações e associar-se ao City Footbal Group (caso o processo seja aprovado), o Bahia poderia ter o maior número de jogadores de seus clubes "irmãos": só do Manchester City, 16 jogadores vão à Copa.

Outras equipes do grupo também levarão atletas: o Melbourne City (Austrália) tem dois e o New York City (Estados Unidos) emplacou um. Mesmo número do Troyes (França), clube parceiro.