Sai o chocolate, entram frango e requeijão: casal bomba com ovo de Páscoa de coxinha

Diego Amorim
·3 minuto de leitura

Coelhinho da Páscoa, que trazes para mim? Um ovo, dois ovos, três ovos.... com massa bem fresquinha, frango e requeijão cremoso! Pode parecer inusitado e curioso para o paladar já acostumado com o doce do chocolate, mas o ovo de coxinha é a proposta do casal José Carlos e Patrícia Pereira, de 51 e 49 anos, respectivamente. Os dois são moradores do Lins, bairro da Zona Norte do Rio, e trabalham há 20 anos com bufê para festas. A ideia salgada surgiu a partir do pedido de uma cliente, que viu uma versão parecida na internet. A criação lembra um ovo de colher por ser vendido pela metade e recheado.

— Uma cliente me pediu um ovo coxinha e eu decidi testar. Deu super certo. Vendemos alguns, tenho encomendas para o fim de semana e para a Páscoa. Quem comeu, só fez elogios. Como nós já vendemos salgadinhos, esse ovo vem para inovar e oferecer algo diferente na Páscoa. Além disso, a opção traz criatividade na troca do chocolate. Os clientes amaram, muitos nunca tinham visto — afirma Patricia.

Na guloseima, a tradicional casca de chocolate dá lugar a uma massa de coxinha de 350 gramas. Já o interior do ovo, que geralmente traz brigadeiro, confetes e outros doces, vem generosamente recheado com frango desfiado e requeijão cremoso. O topo é decorado com três coxinhas pequenas e mais requeijão em formato de florzinhas. O ovo é vendido a R$ 37 e chega a pesar quase meio quilo. As encomendas ainda podem ser feitas pelo Instagram da marca (@jean.buffet).

Nas redes sociais, o sucesso do produto está garantido. "Já quero", "Nossa, eu quero isso" e "Adorei a ideia" são alguns dos comentários deixados por internautas na postagem que soma dezenas de curtidas.

Patrícia conta que a história do casal na cozinha começou por acaso: após voltarem de uma temporada no Amazonas, sem emprego, os dois decidiram apostar na fabricação de bolos, salgados e doces para eventos. Hoje, com o ritmo de trabalho reduzido na pandemia, tiveram a ideia de ingressar nas redes sociais e diversificar o atendimento.

— Meu marido é amazonense, e o conheci aqui no Rio, durante as férias dele. Namoramos, nos casamos e fomos então morar lá. Mas tive que voltar para o Rio na época em que meu pai ficou doente. Aqui, sem emprego, ele começou a vender bolos e salgados que minha mãe fazia. Um dia eu tive um sonho e larguei meu emprego de gerete comercial para apostar nessa empreitada com ele. Larguei tudo e deu certo, graças a Deus. Nada é sorte, sempre foi Deus — detalha ela.

Além do ovo de coxinha, eles apostam em outras delícias para a data.

— Nós temos bolos de chocolate (de 15 ou 25 fatias), empadões de frango ou camarão, salgadinhos tradicionais e bolinhos de bacalhau, que combinam muito bem com a Semana Santa — enumera Patricia.

Nos preparativos para 4 de abril, domingo de Páscoa, Patricia espera reunir parte da família em torno da mesa. Ela destaca que a relação da família com a data vai além dos chocolates — e das coxinhas!

— É um domingo muito importante, que nos recorda a ressurreição de Jesus Cristo. Nunca foi só ganhar chocolates, sempre estivemos juntos em casa — diz a empreendedora, mãe de um filho de 23 anos.