Saiba a verdade sobre foto de Regina Duarte e Fidel Castro

Reprodução

A máquina de cancelamento da internet se voltou contra Regina Duarte, em meio às primeiras ações da atriz como secretária Especial da Cultura. Enquanto Olavo de Carvalho criticava a nova secretária Especial da Cultura antes mesmo de sua posse, por conta da exoneração de secretários ligados ao ideólogo bolsonarista, uma antiga foto de Regina ao lado de Fidel Castro voltou a circular na internet. A milícia virtual olavista, que conseguiu subir na manhã desta quarta-feira a hashtag #ForaRegina entre os trending topics do Twitter no país, voltou a usar a imagem da atriz em visita à Cuba como "prova" de seu envolvimento com o "comunismo".

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

Mas qual a verdadeira história por trás da foto, na qual se vê Regina, sua filha, a atriz Gabriela Duarte, e seu ex-marido, o ator e diretor Daniel Filho?

Leia também

A imagem foi feita em 1984, quando a atriz viajou à ilha para ser homenageada pela associação cultural "Casa de Las Américas". O seriado "Malu Mulher", criado e dirigido por Daniel Filho (com quem a atriz foi casada entre 1978 e 1979) foi um sucesso ao ser exibido em Cuba em 1983. A atriz foi recebida por uma multidão que lotou o teatro Carlos Marx, na capital Havana, e também se encontrou com o ditador Fidel Castro.

Após se separar de Daniel Filho, Regina namorou o publicitário argentino Daniel Gómez, com quem teve o terceiro filho, o cineasta João Gomez. Entre 1983 e 1995, ela foi casada com o diretor e produtor Del Rangel, e, desde 2002, mantém uma união estável com com o fazendeiro Eduardo Lippincott.

Nas últimas décadas, a atriz passou a se aproximar do campo conservador — o vídeo gravado nas eleições de 2002 para o programa do então candidato José Serra (PSDB-SP), em que Regina dizia "ter medo" da vitória de Lula (PT), é geralmente lembrado nas críticas da esquerda contra seu posicionamento político.

Hoje apoiadora e secretária do governo Bolsonaro, na época a atriz chegou a ser monitorada pelo Serviço de Segurança Nacional (SNI), ainda vigente até a reabertura política. Nos documentos levantados pelo "UOL" no Arquivo Nacional, o SNI detalha em relatórios vários passos de Regina em sua ida à ilha, como o encontro com Fidel, com o poeta Nicolás Guillén e sua visita "a centros de trabalho e diversas outras entidades, onde iniciava debates com as operárias cubanas".

Uma fonte próxima da atriz conta que ela levou a foto para Bolsonaro em setembro de 2018, para mostrá-la pessoalmente a ele e explicar o contexto em que foi clicada, já se precavendo de um eventual uso político do registro feito há mais de 35 anos.

Do EXTRA