Saiba como economizar energia elétrica sem o horário de verão

Camilla Muniz
Lâmpadas incandescentes devem ser substituídas pela tecnologia LED

Pela primeira vez após 34 anos ininterruptos, o horário de verão não entrou em vigor no Brasil em 2019. De acordo com o Ministério de Minas e Energia (MME), a decisão foi tomada porque estudos constataram que a medida não vinha reduzindo o consumo de energia elétrica. Mesmo que o horário de verão não produza impactos significativos no bolso do consumidor, é preciso ficar atento a práticas que ajudam a economizar luz nos meses mais quentes do ano, para que a conta não dispare no período.

— A gente não consegue economizar energia sem mexer nos hábitos e no conforto — ressalta o pesquisador da Proteste Dino Lameira.

O MME afirma que, nos últimos anos, houve alterações nos hábitos de consumo de energia pela população brasileira, de maneira que a parte do dia em que o gasto é maior é a tarde, e não mais o início da noite. Por outro lado, um estudo feito em todo o país e divulgado pela Eletrobras no último dia 18 mostrou que os domicílios ficam com mais lâmpadas acesas entre 18h e 21h.

Ar-condicionado: use com moderação

À tarde, o maior vilão da conta de luz é o uso do ar-condicionado. Para reduzir o consumo de energia provocado pelo aparelho, é preciso optar por modelos dotados de tecnologias mais eficientes. Um exemplo é a inverter, que faz o motor trabalhar mais próximo da temperatura de conforto e, assim, gasta menos luz que os modelos comuns. Escolher um equipamento com potência adequada para o tamanho do ambiente onde ele será instalado também é importante.

—  Não há outra forma de economizar energia que não seja usar o ar-condicionado com parcimônia. A dica é manter o aparelho ligado por um tempo, desligá-lo e utilizar o ventilador no resto da tarde. E só voltar a ligar o ar-condicionado à noite, quando for dormir —  indica Dino Lameira.

Leia mais: Custo real do eletrodoméstico vai além do preço na etiqueta

O engenheiro mecânico Jorge Dias, de 56 anos, sempre regula o aparelho para 23 graus, considerada a temperatura de conforto. Deixar o ambiente mais frio não é recomendável, porque ele se torna desconfortável, e o gasto é maior.

—  Assim, fica ideal para dormir. Eu ligo o ar-condicionado meia hora antes, fecho o quarto e deixo climatizar — conta o “caçador de ofertas” do “Qual oferta”, plataforma dos jornais O GLOBO, EXTRA e Expresso que reúne no impresso e no digital as melhores promoções de supermercados, drogarias e lojas de departamento de Rio e Grande Rio.

Eletrodomésticos fora da tomada

Aparelhos eletrodomésticos que não estão em uso devem ser retirados da tomada. O receptor de TV por assinatura é um exemplo, pois consome grande quantidade de energia em stand by. Cafeteiras, liquidificadores, micro-ondas, televisores e carregadores de telefone celular também não devem ficar conectados à rede elétrica se não estiverem em funcionamento.

Trocas na iluminação

Para economizar na conta de luz, lâmpadas incandescentes e eletrônicas (fluorescentes) devem ser substituídas por lâmpadas de LED. Embora tenham um custo maior no mercado, elas proporcionam redução do consumo de energia ao longo do tempo.

Chuveiro na posição verão

O uso do chuveiro elétrico na posição verão economiza cerca de 30% de energia em relação à utilização na posição inverno, segundo o pesquisador da Proteste Dino Lameira. Para não extrapolar o gasto, os banhos devem durar de cinco a oito minutos.

No verão, o ideal é tentar aproveitar ao máximo a temperatura natural da água. No Brasil, geralmente as caixas d'água ficam nos telhados dos imóveis, e a incidência de sol sobre elas acaba esquentando a água.