Saiba o que é preciso para garantir a passagem mais barata no trem a partir de 2 de fevereiro

Os usuários que quiserem garantir a economia de R$ 2,40 em cada viagem de trem a partir de 2 de fevereiro deverão ativar o Bilhete Único Intermunicipal (BUI). Nesta data, vai entrar em vigor o reajuste contratual da tarifa da SuperVia, cujo valor aprovado pela Agetransp é de R$ 7,40. Mas, com a implementação da tarifa social ferroviária, pelo governo do estado, quem fizer o cadastramento vai continuar pagando o valor atual, de R$ 5.

Aumento: Agetransp autoriza reajuste de tarifa de trens no Rio

Benefício: Castro anuncia tarifa social para manter passagem de trem a R$ 5

O cadastro poderá ser feito depois desse prazo, mas não é recomendado porque o passageiro não irá se beneficiar da tarifa social desde a sua entrada em vigor. Para ajudar os usuários, nesta segunda-feira foi montada uma operação de reforço no atendimento, incluindo a criação de um posto extra da Riocard, que já está funcionando na Gare Pedro II, na Central do Brasil, ao lado dos terminais de recarga.

— Todas as lojas da Riocard Mais estão fazendo o cadastro. Estamos ampliando o atendimento com a abertura de um posto extra na gare e, ao longo da semana, haverá outros nas principais estações da SuperVia, que ainda serão definidas — explicou Melissa Sartori, gerente de Marketing da Riocard Mais. — Estamos insistindo para as pessoas não deixarem para a última hora. Para isso, poderão usar também os canais digitais, como site e o Whatsapp.

Punição : Procon-RJ multa novamente Supervia em mais de R$ 1,5 milhão

Os horários de atendimento nos postos fixos foi ampliado. As 20 lojas abrem das 7h às 19h, e o posto extra, na Central, funcionará das 6h às 20h. Todo usuário de trem, mesmo o que mora no município do Rio, precisa cadastrar o cartão no BUI para ter direito ao desconto na tarifa.

Os requisitos exigidos são: ter idade entre cinco e 64 anos, declarar ganho mensal até R$ 7.507,49 e ter um cartão Riocard Mais habilitado no Bilhete Único Intermunicipal e vinculado ao próprio CPF. Quem trabalha sem carteira assinada ou não possui renda também tem direito ao benefício, desde que faça o cadastramento de seu cartão.

Abandono: SuperVia deixou de investir quase R$ 300 milhões na malha ferroviária, diz estudo de estatal do governo do estado

A Riocard estima haver um público potencial de 200 mil pessoas com direito ao benefício. O número leva em conta levantamento feito nos últimos três meses com passageiros que utilizaram os trens e não fizeram o pagamento com Bilhete Único, segundo a gerente de Marketing da Riocard Mais. Diariamente, passam pelas catracas da Supervia uma média de 350 mil pessoas, segundo dados da própria concessionária.

É gente como a camelô Lúcia Helena dos Santos da Silva, de 46 anos. Moradora de Gramacho, na Baixada Fluminense, ela usa três conduções por dia para se deslocar até a Zona Sul do Rio, onde monta sua banca na Lagoa e em Botafogo. A despesa atual com passagens é de R$ 38,60 por dia, podendo atingir R$ 43,40, com aplicação da nova tarifa cheia dos trens.

— Não sabia se podia comprar o cartão e me beneficiar do desconto na tarifa. Mas já me informei e disseram que posso sim, desde que que o habilite como Bilhete único Intermunicipal. Até fiquei mais tranquila porque já tenho uma despesa muito grande com passagens e ia aumentar ainda mais — disse a passageira.

Problema nos trilhos: Circulação de trens suspensa em dois ramais causa tumulto em estações da Supervia; passageiros fizeram protestos em Deodoro e Quintino

A cuidadora de idosos Graciele Moreira do Nascimento Sodré, de 40 anos, ficou sabendo do benefício da tarifa social pela TV e foi em busca de mais informações no posto da Central. Ela não pôde fazer o cadastro porque não estava com nenhum documento de identidade com foto.

— Só mesmo a tarifa social para ajudar o trabalhador. A passagem está muito cara, não tem como suportar — reclamou a passageira que mora em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, e trabalha em Botafogo, na Zona Sul.

A esteticista Tuani da Silva Daquiel, de 30 anos, já tem o BUI, mas o cartão está dando erro de leitura.

— Fui numa loja da Riocard Mais e deram prazo de cinco dias úteis para entregar um novo cartão. Como tenho pressa, vou comprar um novo cartão e cadastrá-lo, pois pagar R$ 7,40 não dá — queixou-se a moradora de Queimados, que trabalha na Lapa.

Melissa Sartori explicou que, em situações como essa, mesmo que o usuário opte por fazer um novo cartão, é recomendado reaver o anterior assim que puder, até para liberar o saldo não utilizado. A segunda via é gratuita, se for constatado o defeito.

Menos viagens: SuperVia reduziu em 69% o número de viagens expressas dos trens que ligam o Rio a 11 municípios

A seguir, um guia com as principais dúvidas preparado pelo GLOBO para orientar os usuários de trem:

O que é a tarifa social ferroviária?

É um benefício concedido pelo estado que garante a manutenção do valor da passagem dos trens em R$ 5 a partir de 2 de fevereiro, quando entra em vigor o reajuste contratual de R$ 7,40.

Quem pode ser beneficiado?

Todas as pessoas com idade entre cinco e 64 anos que declararem ganho mensal de até R$ 7.507,49 e tiverem um cartão Riocard Mais habilitado no Bilhete Único Intermunicipal (BUI) e vinculado ao próprio CPF.

Qual documento é preciso apresentar na hora do cadastro do Bilhete Único Intermunicipal?

Qualquer documento oficial com foto. A comprovação de renda é autodeclaratória.

Qual é o prazo para fazer o cadastro do Bilhete Único Intermunicipal para se beneficiar da tarifa social ferroviária?

Não há um prazo limite. Mas a recomendação é fazer antes de 2 de fevereiro, quando entra em vigor o reajuste contratual da tarifa.

Quem já tem o Bilhete Único Intermunicipal habilitado precisa fazer o quê?

Nada. Se você já está com BUI devidamente habilitado no seu CPF, automaticamente já tem direito à tarifa social.

Como saber se já sou habilitado no Bilhete Único Intermunicipal?

Para verificar se o seu cartão possui o BUI acesse: https://www.cartaoriocard.com.br/rcc/paraVoce/consultarCpf. Outro caminho é entrar em contato com o assistente virtual da Riocard Mais pelo WhatsApp (21 2127-4000).

Meu cartão é um vale-transporte feito pelo meu empregador. Como faço para habilitar o BUI?

Procure o RH da empresa e solicite o benefício.

Tenho o cartão expresso (aquele que o próprio usuário compra) e não está cadastrado no sistema Riocard Mais e nem no BUI. Como faço?

Pode fazer o cadastramento numa loja Riocard Mais ou nos postos de atendimento especial. Outra maneira de se cadastrar é pela internet, entrando com login e senha no site (https://www.cartaoriocard.com.br/rcc/paraVoce/login).

Não tenho Riocard Mais. Como faço?

O caminho mais indicado é procurar uma das lojas Riocard Mais ou os postos de atendimento especial que serão instados em estações da SuperVia. O primeiro já está em funcionamento na Gare Pedro II, na Central do Brasil.

Tenho cadastro do cartão expresso, mas não me lembro do login nem da senha. Como recuperar?

Basta ir numa loja Riocard Mais e pedir para recuperar login e senha, que serão exigidos para fazer o cadastramento pela internet

Quem já foi habilitado no BUI em algum momento e deixou de usar o cartão deve fazer o quê?

Depois de 120 dias sem uso, o cartão é bloqueado por questões de segurança. Basta se dirigir a um terminal de consulta ou de recarga do Riocard. Ao encostar o cartão no visor, ele é desbloqueado. O desbloqueio também pode ser feito pelo celular desde que tenha o aplicativo do Riocard com NFC.

Quem fizer o cadastro pela internet faz como para pegar o cartão?

Quem pedir o cartão pelo site tem duas opções: pegar na loja, gratuitamente, ou pagar aos Correios para fazer a entrega no seu endereço.

Moro na Zona Sul do Rio e minha empregada reside em Campo Grande, na Zona Oeste. Mesmo assim ela tem direto ao Bilhete Único Intermunicipal?

Tem direito sim, porque o benefício foi atrelado à tarifa do trem.

Tenho o BUI, mas o cartão está apresentando erro de leitura. O que fazer?

É preciso procurar uma loja da Riocard Mais. Se for constatado que o cartão está com defeito, você receberá outro, sem custo. Isso não vale para cartão quebrado ou com defeito provocado por mau uso. Nesse caso, é cobrado pela segunda via uma taxa correspondente a sete vezes o valor da tarifa do Rio.