Saiba o que foi destaque no Rio na manhã desta segunda-feira

O Globo
·2 minuto de leitura

RIO — A defesa de Monique Medeiros da Costa e Silva, mãe do menino Henry, de 4 anos, argumenta que ela esteve em um salão de um shopping na Barra da Tijuca, no dia seguinte ao sepultamento do filho para fazer a manutenção do mega hair — método de alongamento de cabelos no qual fios são fixados perto do couro cabeludo em várias camadas. De acordo com o advogado Hugo Novais, a professora, que é investigada pelo homicídio do menino e está presa temporariamente no Instituto Penal Ismael Silveiro, em Niterói, alegou que o nervosismo a fez desgrudar os tufos. Veja a seguir os outros destaque no Rio na manhã desta segunda-feira:

MAIS SOBRE CASO HENRY

O presidente da Câmara de Vereadores do Rio, Carlo Caiado (DEM), afastou, nesta segunda-feira, Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho (sem partido), da presidência da Comissão de Justiça e Redação. A comissão é a mais importante da Casa. Caiado tomou a decisão depois que o Solidariedade formalizou, na sexta-feira, a expulsão do vereador, suspeito de matar o enteado.

GRIPE

A partir desta segunda-feira, dia 19, os grupos prioritários começam a ser vacinados contra a gripe no Rio de Janeiro, simultaneamente com a campanha de imunização contra a Covid-19. Além dos profissionais de saúde serão atendidas nos postos de saúde crianças maiores de 6 meses e menores de 6 anos, gestantes, puérperas e povos indígenas.

Imagens obtidas com exclusividade pelo GLOBO mostram o médico e vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho (sem partido), no último dia 8, quando foi preso, no interior da Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, recebendo um sanduíche das mãos do próprio diretor da unidade, Ricardo Larrubia da Gama. O vereador é investigado pela morte do enteado Henry Borel, de 4 anos, junto com a namorada Monique Medeiros, mãe da criança, que também está presa.

SEGURANÇA

Agentes da Polícia Militar (PM) do Rio devem iniciar, em maio, uma nova ação de patrulhamento voltada para pelo menos 24 bairros da capital escolhidos pelo governo estadual para serem os primeiros a receber o programa Bairro Seguro, que replica a lógica de policiamento de proximidade aplicada pelo Segurança Presente, em operação desde 2014. A iniciativa foi anunciada pelo governador em exercício Cláudio Castro (PSC) em entrevista ao GLOBO, no fim de semana.