Saiba o que foi destaque no Rio na manhã desta segunda-feira

O Globo
·1 minuto de leitura

RIO — Uma auditoria feita pelo corpo técnico da secretaria municipal de Saúde, e obtida com exclusividade pelo GLOBO, mostra que o Hospital de Campanha do Riocentro, administrado pela gestão do ex-prefeito Marcelo Crivella, teve a maior taxa de mortalidade de pacientes com coronavírus entre as unidades provisórias da cidade. Segundo o levantamento, a unidade teve disparadamente a maior taxa de óbitos de pacientes em UTIs (66%) e também a maior dos que foram internados em enfermaria (25%). Veja abaixo outros destaques no Rio na manhã desta segunda-feira (29):

Caso Henry: psicóloga é intimada

A Polícia Civil do Rio intimou uma psicóloga para que preste depoimento nos próximos dias sobre o acompanhamento terapêutico que vinha fazendo com Henry Borel Medeiros, de 4 anos, desde o início de fevereiro — um mês antes da morte do menino, morto na madrugada do último dia 8 de março. A profissional foi escolhida pela mãe da criança, a professora Monique Medeiros da Costa e Silva — que, em quatro meses se separou do engenheiro Leniel Borel de Almeida e foi morar com o médico e vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho (Solidariedade).

Comércio desrespeita restrições

Apesar de proibidas de funcionar durante os dez dias do feriado anunciado como medida para evitar o contágio de Covid-19, muitas lojas de serviços não essenciais amanheceram com as portas abertas nesta segunda-feira. No Mercadão de Madureira, todas as lojas estavam abertas nesta manhã. Caminhões descarregavam mercadorias e clientes se aglomeravam na entrada do local.