Saiba quem é a nova dupla de Carol Solberg e o que a jogadora sonha para 2021

Carol Knoploch
·3 minuto de leitura
Wander Roberto/Inovafoto/CBV

Carol Solberg, que encarou dois julgamentos no Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Vôlei, em 2020, por falar "Fora Bolsonaro" após uma competição, vai encarar novos desafios no ano que vem.

A jogadora, que se mantém entre as seis melhores do mundo no ranking da Federação Internacional da modalidade, terá Bárbara Seixas como nova parceira.

As duas já jogaram juntas entre 2003 e 2004 e foram duas vezes vice-campeãs mundiais na categoria infanto-juvenil. Ao lado de Ágatha Bednarczuk, Bárbara foi prata na Olimpíada do Rio, em 2016, ouro no Mundial (2015) e no Circuito Mundial (2015).

Talita, sua ex-dupla, jogará com Maria Elisa e reviverá time que representou o Brasil na Olimpíada de Londres 2012. Juntas elas ganharam oito etapas do Circuito Mundial, entre 2009 e 2012.

Carol explicou que logo após a última etapa do Circuito Brasileiro de 2020, disputado em esquema "bolha", a dupla decidiu se desfazer.

— A iniciativa foi minha, por conta de questões técnicas. Eu quero voltar a jogar no bloqueio e na entrada de rede. E me juntar com a Talita foi um desafio porque nós duas somos bloqueadoras e tivemos que nos revezar na defesa e no bloqueio — disse Carol.

Ela falou que ficou feliz com o anúncio de Talita e Maria Elisa e que elas estarão muito fortes nos próximos anos.

— É uma dupa que tem química. Não tenho ciume, não. Fico bem feliz pelo que vivi com a Talita, de ter aprendido tanto. Essa coisa de sentir como uma separação, como um casamento desfeito, tem muito mais a ver com a convivência diária. Muitas vezes você fica com sua dupla mais do que com o seu marido. Dorme no mesmo quarto e fica junto o tempo inteiro quando se corre um Circuito Mundial. Mas com a Talita eu acabei não vivendo isso porque, com a pandemia, não tivemos Circuito Mundial.

Em sua rede social, Carol agradeceu a Talita, com quem conviveu o ano inteiro de 2020, sem competições no exterior e com dificuldade de treinamento.

— Nossa parceria foi muito bem, seis pódios em nove etapas, desde janeiro de 2020. Aprendi muito com ela e com o Renato que foi nosso técnico e com quem eu já havia trabalhado. Ele também já orientou meu irmão (Pedro). Foi muito especial tudo isso.

Carol está de férias com a família e volta a treinar em 4 de janeiro. Em relação aos patrocínios, sua vida, por enquanto, mudou pouco.

Ela continua sem apoio e mantém uma equipe de cinco profissionais do próprio bolso. Conta apenas com o incentivo do Comitê Olímpico do Brasil (COB) por ser reserva do Brasil na Olimpíada de Tóquio (Ágatha/Duda e Ana Patrícia/Rebecca são as duplas classificadas).

— Quando você se manifesta politicamente, você acaba fechando portas mesmo. Muitas marcas não querem se posicionar, não querem ter sua imagem associada a atletas que fazem isso. Mas também tem muitas marcas que querem estar associadas a pessoas que falam o que pensam.

A jogadora diz não se sentir obrigada a falar sempre de política, após o episódio que a tornou um exemplo. Mas não deixou de dar uma alfinetada, novamente, no atual governo. Perguntada sobre o que deseja para 2021, ela foi direta:

— Um plano de vacinação. Além de desejar saúde para todos, desejo um plano de vacinação. Quero que as coisas retomem seus lugares mas isso é completamente impossível sem um plano de vacinação. Também desejo mais consciência de todos nós, mais amor e empatia.