Saiba quem é Ricardo Nunes, vice de Covas, que assume Prefeitura de SP

·4 minuto de leitura
Ricardo Nunes assume posto de prefeito de São Paulo durante licença de Bruno Covas (Foto: Reprodução)
Ricardo Nunes assume posto de prefeito de São Paulo durante licença de Bruno Covas (Foto: Reprodução)
  • Bruno Covas se licenciou do cargo de prefeito e Ricardo Nunes assume o posto

  • Nunes é do MDB e foi vereador por São Paulo durante oito anos

  • Ricardo Nunes é ligado à Igreja Católica e lutou pelo fim da palavra "gênero" no Plano Municipal de Educação

No dia 2 de maio, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), anunciou a decisão de se licenciar do cargo. O tucano está tratando um câncer no sistema digestivo, diagnóstico recebido em 2019. Recentemente, foi contatada a metástase óssea da doença.

Agora, quem assume o posto é Ricardo Nunes (MDB). “Tenho convicção que nosso vice Ricardo Nunes e nossa equipe de secretárias e secretários manterão a cidade no rumo certo”, escreveu Covas nas Redes sociais, ao passar o bastão para o vice-prefeito.

Leia também:

Quem é Ricardo Nunes

Ricardo Nunes é vereador e vice na chapa de Bruno Covas (Foto: Afonso Braga/Câmara de Vereadores)
Ricardo Nunes foi vereador durante oito anos na Câmara Municipal de São Paulo (Foto: Afonso Braga/Câmara de Vereadores)

Trajetória política

Vereador por São Paulo em dois mandatos, Nunes ganhou espaço na chapa de Covas após um arranjo político. Eleito pela primeira vez em 2012, ele integrou a base de Fernando Haddad na Câmara de Vereadores da capital paulista.

Quando João Doria (PSDB) foi eleito em 2016, com Bruno Covas como vice, Ricardo Nunes foi reeleito para o posto de vereador. Ele também integrou a base tucana na Câmara de São Paulo. Doria fez parte das negociações que levaram Nunes ao posto de vice na chapa tucana para as eleições municipais de 2020.

Nunes fez parte de CPIs durante o tempo de mandato como vereador, como a dos bancos.

Grupos de interesse

Ricardo Nunes é empresário e integra a associação de empresários da Zona Sul, reduto eleitoral do vice-prefeito de São Paulo.

Além disso, o político é a Igreja Católica e, enquanto vereador, agiu como interlocutor de religiosos dentro da Câmara Municipal de São Paulo. Nunes era membro da Comissão de Finanças da Câmara e agiu para impedir termos como “gênero” no Plano Municipal de Educação.

O então vereador do MDB alegava que a sexualidade não deveria ser tema nas salas de aula da capital paulista.

Acusações

Durante a campanha eleitoral, opositores da chapa Covas-Nunes chamavam atenção para acusações contra o vice-candidato, especialmente em função da saúde de Bruno Covas.

Ricardo Nunes é acusado de envolvimento na chamada “máfia das creches”. Além disso, o vice-prefeito de São Paulo já foi acusado pela esposa de agressões físicas e verbais.

Creches conveniadas

Ricardo Nunes é ligado a entidades gestoras de creches terceirizadas no município de São Paulo. Segundo reportagens da Folha de S. Paulo, o vice-prefeito é dono de empresas que alugam imóveis onde funcionam escolas ligadas a essas instituições.

A prefeitura é a responsável por pagar as instituições que, por sua vez, pagam os espaços onde as escolas funcionariam.

Durante a campanha, Nunes negou qualquer irregularidade e Covas afirmou confiar no vice-prefeito.

Agressões à esposa

Durante a campanha eleitoral de 2020, a Folha de S. Paulo revelou que Ricardo Nunes foi acusado pela esposa de violência doméstica, ameaça e injúria. Os casos aconteceram em 2011 e o casal está junto até hoje.

Segundo o boletim de ocorrência, divulgado pelo jornal, foi registrado em 18 de fevereiro na 6ª Delegacia da Mulher, em Santo Amaro. Regina Carnovale afirmou na ocasião que viveu em união estável com Nunes por 12 anos, mas que eles estavam separados por causa dos ciúmes excessivos por parte dele.

O documento descreve que Ricardo Nunes não dava paz à Regina, “efetuando ligações proferindo ameaças, envia mensagens ameaçadoras todos os dias e vai em sua casa onde faz escândalos e a ofende com palavrões”, consta no boletim de ocorrência. A esposa de Nunes ainda teria afirmado sentir medo dele.

A reportagem ainda revelou que, nas redes sociais, há cinco anos, Regina fez publicações relatando que os dois tinham brigado por pensão alimentícia. Nos comentários, ela disse que tinha provas de ter sido agredida por ele. A esposa de Nunes justifica que a conta foi hackeada.

Um mês depois, em 14 de março, Nunes registrou queixa contra a esposa por lesão corporal.

Atualmente, o casal está junto e Regina faz campanha ativamente para ele nas redes sociais. Nenhum dos boletins de ocorrência avançou na Justiça.

À Folha, Nunes nega que tenha agredido a esposa e fiz que a acusação foi feita em um momento em que Regina estava “emocionalmente abalada e sem controle das ações e sentimentos”.

"O momento de mágoas misturado pelo amor que temos um pelo outro acabou gerando um desentendimento, com ela exaltada, que me levou a fazer o BO [boletim de ocorrência]." Sobre o registro feito por ele, Nunes justificou que o casal vivia uma fase muito difícil.