Saiba quem são os cinco bilionários que renunciaram à cidadania russa

Pelo menos cinco bilionários renunciaram à cidadania russa devido à invasão da Ucrânia. As tropas comandadas pelo presidente da Rússia, Vladimir Putin, invadiram o território ucraniano no final de fevereiro deste ano. Deste então, alguns dos homens mais ricos do país viraram as costas para a terra natal.

Tecnologia: Criador do Web Summit quer que versão no Rio seja ‘evento mais internacional do Brasil’

Negócios: Amazon cita cenário econômico e anuncia congelamento de novas contratações

O último foi o magnata Oleg Tinkov, fundador do banco digital Tinkoff. Ele anunciou nesta segunda-feira que renunciou à cidadania russa por discordar da invasão da Ucrânia, que já havia criticado anteriormente.

— Tomei a decisão de abandonar minha cidadania russa. Não posso e não quero estar associado a um país fascista que desencadeia uma guerra com seu vizinho pacífico e que mata inocentes diariamente — escreveu Tinkov no Instagram.

No ano passado, a Bloomberg estimou a riqueza de Tinkov em US$ 8,2 bilhões. O empresário entrou na lista de sanções do Reino Unido.

Nikolay Storonsky, fundador e diretor executivo do banco digital Revolut, também renunciou à cidadania russa. A informação foi divulgada nesta semana pela Bloomberg, mas diz que a decisão já havia sido tomada há meses.

"Nik é um cidadão britânico. No início deste ano, ele renunciou à sua cidadania de nascimento para a Rússia. Sua posição sobre a guerra está no registro público: a guerra é totalmente abominável e ele permanece resoluto em pedir o fim imediato dos combates", disse um porta-voz da Revolut.

Timur Turlov tomou a mesma iniciativa, mas em junho. Fundador da empresa de investimento Freedom Finance, ele tem fortuna estimada em US$ 2,3 milhões, segundo a revista Forbes.

Shein: marca chinesa de roupas que é fenômeno na internet terá loja temporária em São Paulo

Turlov abriu mão de sua cidadania russa em junho. Ele alegou dificuldades em manter negócios russos em uma holding americana por causa da proibição de qualquer investimento na Rússia para residentes nos EUA. Turlov tornou-se cidadão do Cazaquistão.

Em setembro foi a vez de Ruben Vardanyan, um russo de ascendência armênia dono de uma fortuna de US$ 1,3 bilhão. Ex-diretor do banco de investimento Troika Dialog, ele negou que sua decisão tenha sido pautada pelo risco de sofrer sanções ocidentais.

Vardanyan alegou que a renúncia foi um apoio à região separatista do Nagorno-Karabakh, que é oficialmente parte do Azerbaijão. Ele se mudou para esta região.

O bilionário e investidor do Vale do Silício Yuri Milner renunciou à sua cidadania russa no começo de outubro. De acordo com um post publicado no site de sua empresa de investimentos na internet DST Global, Milner concluiu em agosto o processo de abrir mão de sua cidadania russa, um assunto que se tornou controverso após a invasão da Ucrânia.

Twitter, Tesla, SpaceX e Burnt Hair: veja os negócios do bilionário Elon Musk

Em um tweet, o executivo disse que ele e sua família “deixaram a Rússia para sempre” em 2014 após a anexação da Crimeia e que agora concluíram oficialmente o processo de abrir mão da cidadania russa.

Milner nasceu em Moscou e foi o empresário do setor de tecnologia mais proeminente a tentar distanciar sua empresa da Rússia, já que a invasão de Vladimir Putin na Ucrânia atraiu a condenação e sanções dos governos ocidentais.

O Bloomberg Billionaires Index estima a fortuna de Milner em cerca de US$ 3,5 bilhões. A DST Global fez investimentos lucrativos em gigantes da tecnologia, incluindo Facebook, agora Meta Platforms, e Twitter.